www.visitportugal.com

Live Chat

Guimarães

Galeria Videos: 

Tab Genérica: 

Coordenada X: 

-8.29

Coordenada Y: 

41.44

Paço dos Duques de Bragança

Paço dos Duques de Bragança

Museus e Palácios

A construção do palácio dos Duques de Bragança, inspirada nas moradias senhoriais francesas, iniciou-se no início de Quatrocentos e deveu-se a D. Afonso de Barcelos, primeiro duque de Bragança e filho natural de D. João, Mestre de Avis, futuro rei D. João I. Porque mais tarde a residência dos Bragança se deslocou para o Palácio de Vila Viçosa, no Alentejo, o edifício foi-se degradando ao longo dos séculos até se transformar num quartel militar em 1807.

Em 1937 iniciaram-se as obras de restauração e em 24 de Junho de 1959, exactamente 831 anos passados sobre a batalha de S. Mamede, o palácio ressurgiu na sua imponência gótica de inspiração normanda. Na ala norte do piso térreo encontra-se um pequeno museu de arte contemporânea com peças que o pintor José de Guimarães (criador do símbolo do turismo de Portugal) doou à cidade onde nasceu.

O museu ocupa as imensas salas do primeiro andar onde está exposto um conjunto de obras de arte provenientes de diversos museus ou mandadas replicar, entre as quais se destacam peças de mobiliário do séc. XVII, colecções de armas antigas e um conjunto notável de quatro tapeçarias de enormes dimensões que descrevem com muito pormenor cenas da chegada dos portugueses a Arzila, do cerco a esta cidade no norte de África e da tomada de Tânger. Os originais foram encontrados em Pastrana, próximo de Madrid e posteriormente transferidos para o palácio El Escorial. O Governo espanhol nunca autorizou a devolução das peças originais, tendo apenas dado permissão para executar as reproduções que se podem admirar no Palácio Ducal.

Contactos

Morada:
Rua Conde D. Henrique  
4810-245 Guimarães
Telefone:
+351 253 412 273


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Museu Arqueológico Martins Sarmento

Museu Arqueológico Martins Sarmento

Museus e Palácios

A Sociedade Martins Sarmento é uma instituição cultural fundada em 1881. Ao seu valioso e diversificado património pertence o Museu Arqueológico "Martins Sarmento", principal referência da cultura castreja em Portugal e um dos mais importantes museus de todo o espaço europeu onde se manifestou aquela cultura.

Instalado no claustro gótico de São Domingos (séc. XIV), este museu possui uma boa colecção de arqueologia pré e proto-histórica, epigrafia, numismática e no núcleo de arte contemporânea uma boa colecção de pintura da 1ª metade do séc. XX. Uma das peças mais importantes é uma estela funerária conhecida por Pedra Formosa, que por iniciativa do Dr. Martins Sarmento foi trazida para o museu em 1897.
Contactos

Morada:
Rua Paio Galvão   4800-426 Guimarães
Telefone:
+351 253 415 969
Fax:
+351 253 415 969


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Museu de Alberto Sampaio

Museu de Alberto Sampaio

Museus e Palácios

O Museu de Alberto Sampaio foi criado em 1928 para albergar o espólio artístico da extinta Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira e de outras igrejas e conventos de Guimarães. Situa-se em pleno centro histórico da cidade, que é património da humanidade, no local onde a condessa Mumadona mandou construir, no séc. X, um mosteiro.

O museu ocupa três espaços que pertenceram à Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira: a Casa do Cabido, o Claustro e a Casa do Priorado. O Claustro é um caso único na arquitectura portuguesa, quer pela implantação em torno da cabeceira da Igreja quer pela sua forma irregular.

Possui colecções de grande interesse de que salientamos, na escultura, as estátuas em calcário e madeira do séc. XIII ao XVIII. No núcleo de talha tem destaque o retábulo seiscentista que pertencia à Irmandade de S. Pedro e as ilhargas barrocas da igreja do Convento de Santa Clara. A pintura é representada por frescos destacados e pintura sobre tábua. A colecção de cerâmica é constituída por exemplares de azulejaria e de faiança. O conjunto têxtil é composto por vestes litúrgicas e por um núcleo significativo de amostras de tecidos.

Refira-se como peça emblemática das colecções do museu, o loudel (veste militar) que D. João I envergou durante a Batalha de Aljubarrota. Por último na colecção de ourivesaria, destaca-se o tesouro de Nossa Senhora da Oliveira: conjunto de alfaias litúrgicas (cálices, patenas, custódias, cruzes e relicários) que datam do séc. XII ao XIX.

Contactos

Morada:
Rua Alfredo Guimarães
4810-251 Guimarães
Telefone:
+351 253 423 910
Fax:
+351 253 423 919


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Museu Agrícola de Fermentões

Museu Agrícola de Fermentões

Museus e Palácios

Inaugurado em 1983, este museu integra diversas salas onde o visitante poderá tomar contacto com as actividades agrícolas tradicionais da região, nomeadamente os trabalhos relacionados com o linho e as tarefas inerentes à produção do vinho verde.
Contactos

Morada:
Rua Nª Srª de Fátima - Fermentões 4800-180 Guimarães
Telefone:
+351 253 557 453 / 253 559 131
Fax:
+351 253 559 131


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Santuário de Nossa Senhora da Penha

Santuário de Nossa Senhora da Penha

Monumentos

A capela foi mandada construir, em 1652, passando, posteriormente, em 1727, a servir ao Convento da Imaculada Conceição, do qual era anexo.

Na capela, merecem uma especial referência os azulejos parietais, de Policarpo de Oliveira Bernardes, e o púlpito.

A peregrinação anual realiza-se no 2.º Domingo de Setembro.

Contactos

Morada:
Monte da Penha 
4800 Guimarães
Telefone:
+351 253 412 475


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira - Guimarães

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira - Guimarães

Monumentos

A Igreja de Nossa Senhora da Oliveira data de finais do séc. XIV, segundo o desenho de Mestre João Garcia de Toledo. Foi mandada construir pelo rei D. João I devido a um voto que fez à Virgem da Oliveira, pela vitória na Batalha de Aljubarrota.

Numa torre anexa datada de 1513, reconstruída pelo Prior D. Diogo Pinheiro, encontra-se a capela funerária de seus pais. Nos finais do séc. XVII, D. Pedro II mandou ampliar a capela-mor, em cuja abóbada se podem ver as suas armas reais.

No interior, de referir ainda o retábulo do altar-mor, da segunda metade do séc. XVIII, o cadeiral seiscentista com espaldares neo-clássicos e o altar de prata da Capela do Santíssimo Sacramento.

Contactos

Morada:
Largo da Oliveira 
4800 Guimarães


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Muralhas de Guimarães

Muralhas de Guimarães

Monumentos

Da muralha que se estendia ao longo da cerca de dois mil metros, apenas resta um extenso pano e das oito torres que se distribuíam ao longo da muralha subsiste uma, junto à Porta da Vila.
Contactos

Morada:
Avenida Alberto Sampaio Guimarães


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Igreja de São Miguel do Castelo - Guimarães

Igreja de São Miguel do Castelo - Guimarães

Monumentos

A primeira referência à Igreja de São Miguel data de 1216 pela Colegiada de Guimarães, calculando-se que tenha sido essa a data da sua fundação. Foi sagrada pelo Arcebispo de Braga em 1239.

Em estilo românico, é uma igreja de pequenas dimensões e simplicidade arquitectónica mas com elementos decorativos de referência como os que se vêem nos frisos do Portal, num dos arcosólios e no arco triunfal da capela mor.

A história desta Igreja está muito ligada à fundação da nacionalidade, dizendo a lenda que foi aqui baptizado D. Afonso Henriques, que viria a ser o primeiro rei de Portugal. Apesar de uma inscrição numa lápide datada de 1664 referir este facto, ele é contraditório com a data presumível da sua fundação, já no reinado de D. Afonso II.

No interior, existem várias sepulturas de guerreiros nobres.

A Igreja de São Miguel está classificada como Monumento Nacional.

Contactos

Morada:
Rua Conde D. Henrique
4810-245 Guimarães
Telefone:
+351 253 412 273
Fax:
+351 253 517 201


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Castelo de Guimarães

Castelo de Guimarães

Monumentos

O Castelo de Guimarães, situado no Monte Largo - “alpis latitus” no latim de documentos da época - evoca o misto de lenda e heroísmo que envolve o início da História de Portugal.

Mumadona, condessa galega, mandou construir neste local, cerca do ano 968, um castelo onde a população se pudesse refugiar dos constantes assaltos de hordas de vikings, vindos dos mares do norte da Europa e dos muçulmanos que acorriam dos territórios que ocupavam a sul.

Quando o Conde Henrique recebeu de seu sogro, Afonso VI de Leão, o governo da província portucalense, mandou construir outra edificação mais ampla e sólida, que constituiu o início do importante conjunto defensivo que vemos hoje, dominado pela torre de menagem. Embora o facto não esteja documentado, é provável que o edifício que se encontra encostado à parte interna da muralha norte tenha sido a morada do Conde D. Henrique e local do nascimento de seu filho Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.

Ao castelo, liga-se a história militar da fundação do reino nos diversos combates em que Afonso Henriques defrontou em 1127 seu primo Afonso VII, rei de Leão. Liga-se também à abnegação de seu aio, Egas Moniz, que se ofereceu para fiador da palavra do infante quando este, vendo que não conseguia vencer o cerco de Afonso VII, prometeu constituir-se seu vassalo, tendo renegado a promessa ao sair-se vencedor.

Até finais do séc. XIV no castelo de Guimarães protagonizaram-se heróicos combates para a defesa da integridade do jovem reino de Portugal, abalado por questões dinásticas com Castela que tornavam vulnerável a sua independência. Com o nascimento das novas armas de artilharia, o castelo de Guimarães, como tantos outros, conheceu o início do fim das suas glórias. Abandonado à incúria do tempo e dos homens, veio a ser cuidadosamente restaurado na sua original grandiosidade e beleza, na primeira metade do séc. XX.

Contactos

Morada:
Rua Conde D. Henrique
4810-412 Guimarães
Telefone:
+351 253 412 273 / 226 197 080
Fax:
+351 253 517 201


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Igreja de Santa Cristina de Serzedelo

Igreja de Santa Cristina de Serzedelo

Monumentos

A fundação da Igreja de Santa Cristina de Serzedelo é remota, não havendo uma data certa para além da inscrição numa lápide com a data de 1071. No entanto, a sobriedade arquitectónica e as suas características românicas estão identificadas como sendo uma construção dos séculos XII / XIII. Os elementos românicos, góticos e barrocos revelam várias intervenções ao longo dos tempos.

É um dos núcleos religiosos baixo-medievais da região de Entre Douro e Minho e um dos raros exemplos que conserva intacto o exonartex, uma estrutura exterior à igreja, cuja função inicial seria funerária e que serve actualmente de sacristia.

No interior, ainda são visíveis pinturas murais quinhentistas com representações de santos, em que se destaca a Anunciação na capela-mor.
Contactos

Morada:
Lugar do Mosteiro 4800-001 Guimarães


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização

close