www.visitportugal.com

Live Chat

Moura

Galeria Videos: 

Tab Genérica: 

Coordenada X: 

-7.45

Coordenada Y: 

38.14

Igreja e Convento do Carmo - Moura

Igreja e Convento do Carmo - Moura

Monumentos

Este conjunto monumental, primeira sede da Ordem dos Carmelitas na Península Ibérica, foi construído no período gótico pelos cavaleiros hospitalários.

O tempo encarregou-se de apagar na pedra a lembrança do seu estilo de origem (apenas alguns elementos arquitectónicos nas capelas do interior subsistem ainda), e outros gostos artísticos sobrevieram nos séculos posteriores, nomeadamente o renascentista patente no pórtico de mármore.

No interior, são dignas de nota as capelas laterais. Na primeira do lado direito, dedicada a Santa Ana, destaca-se um pórtico da Renascença e na quarta, do mesmo lado, a abóbada cruzada de nervuras é forrada por um lindo padrão de azulejos policromos. Do lado esquerdo, a primeira capela dedicada a S. Martinho tem o tecto forrado de azulejos amarelos e azuis.

O pórtico em mármore do Renascimento é encimado pelas armas do arcebispo de Braga, D. Baltasar Limpo, prelado natural de Moura, que a mandou edificar.

No pavimento da igreja vêm-se diversas lápides de sepulturas, mostrando uma delas esta curiosa inscrição: "Aqui jaz João de Abril, que morreu por se rir".
Contactos

Morada:
7860-001 Moura


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Moura

Moura

Localidades

Existem muitos motivos de interesse para visitar esta clara e alegre vila alentejana, situada próximo da margem esquerda do rio Guadiana, numa região de colinas onduladas onde crescem extensos olivais e produtora de excelentes vinhos. A sua conquista aos mouros em 1166, pelos irmãos Pedro e Álvaro Rodrigues, está envolvida pelo colorido da lenda da moura Salúquia, evocada pela velha torre que se encontra junto do Jardim Dr. Santiago.

Foi D. Dinis (r.1279-1325) quem reconstruiu as fortificações de Moura e lhe deu foral em 1295. D. Manuel I (r. 1495-1521), concedeu novo foral e ordenou a reconstrução do Castelo sob a direcção de mestre Francisco de Arruda.

Um passeio pela vila não dispensará uma visita à Mouraria, com uma tipologia característica dos bairros árabes. Na rua da Muralha Nova, situada nos limites deste bairro, descobrirá um troço das muralhas do castelo de finais do séc. XVII. O Museu Árabe construído em torno de um poço da época, que se encontra em excelente estado de conservação, merece sem dúvida uma visita. Sobre o edifício onde está instalada a Biblioteca Municipal, que já foi sede dos Paços do Concelho de Moura, ergue-se o volume imponente da torre da Taipa, também da época árabe, formando um conjunto interessante de se observar.

Passeando pelas ruas de Moura, observando as grossas chaminés que acompanham a prumada das paredes das casas, pormenor típico nas construções do Alentejo, encontrará alguns templos dignos de nota: a igreja matriz dedicada a S. João Baptista e as igrejas do Carmo e de S. Francisco merecem particular atenção.

Moura encerra ainda um exemplar único de arquitectura militar do início do séc. XVII, conhecido por Edifício dos Quartéis. É constituído por uma fiada de edifícios onde se incluía um conjunto de casernas viradas a Sul e a Norte. Numa das extremidades encontra-se a capela do Senhor Jesus dos Quartéis.

A cerca de 3 km da cidade ergue-se sobre uma colina isolada a pitoresca torre militar conhecida por Atalaia Magra.




Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Açude de Pedrogão

Açude de Pedrogão

Barragens

Uma das maiores barragens do Baixo Alentejo, faz parte do empreendimento de Alqueva.



Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Barragem do Alqueva

Barragem do Alqueva

Barragens

É o maior lago artificial da Europa, com mais de 1.000 km de margens e dezenas de ilhas.



Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Galeria Dolménica e Anta na Herdade da Negrita

Galeria Dolménica e Anta na Herdade da Negrita

Arqueologia

Extensa galeria megalítica sem vestígios de cobertura e anta sem corredor.
Contactos

Morada:
Herdade da Negrita 7860 Moura


Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Rota dos Vinhos do Alentejo

Região vitivinícola de grande tradição, o Alentejo possui vinhos que nos surpreendem pela excelência, pelos aromas e pelas cores, tão singulares como a paisagem e a própria gastronomia.

Esta região de vastos horizontes, a que os sobreiros conferem uma sensação de força e perenidade, foi em tempos um extenso campo de trigo. Atualmente, as searas dão lugar a enormes vinhas, cujos vinhos recebem a força da paisagem e do calor ambiente, estando entre os mais reconhecidos de Portugal.

Para além do Vinho Regional Alentejano, que se encontra por toda a região, os produtores de vinho distribuem-se por 8 áreas de Denominação de Origem Controlada - PortalegreBorbaRedondoReguengosVidigueiraÉvoraGranja/Amareleja e Moura, o que permite uma variedade de escolha em qualquer ponto do Alentejo.

As caraterísticas distintas dos solos consoante a área (graníticos, calcários, mediterrânicos ou xistosos), as inúmeras horas de exposição solar e um conjunto de castas selecionadas permite uma produção de grande qualidade, aliada à capacidade de manter a tradição do sabor mas inovando na arte de fazer o vinho.

Quanto ao que os distingue, os vinhos brancos são aromáticos, frescos e harmoniosos, enquanto os tintos, de cor rubi ou granada, se revelam mais intensos, encorpados e ao mesmo tempo macios e ligeiramente adstringentes.


Relaxar no Alqueva, o Grande Lago

Não deixe de…
  • dormir sob as estrelas do Alqueva num barco casa
  • provar o vinho da região
  • deliciar-se com a gastronomia tradicional
  • subir ao castelo de Monsaraz

Para passar uns dias descontraídos e em boa companhia, o Grande Lago em que se transformou a albufeira do Alqueva é o pretexto perfeito para relaxar. 

Falamos de um dos maiores lagos artificiais da Europa, construído sobre o Rio Guadiana. Tem uma albufeira de 250 km2 e abrange cinco concelhos do Alentejo, com muitos pontos de interesse. Na margem direita, recebem-nos os castelos de Juromenha, Alandroal, Terena, Monsaraz e Portel e, na margem esquerda, Mourão e Moura são miradouros privilegiados sobre este espelho de água. 

O lago veio dar uma atmosfera surpreendente a esta região. Onde antes havia campo, com oliveiras, sobreiros e azinheiras, hoje vemos água e vida renovada, com ótimas condições para atividades ao ar livre e para a prática de desportos náuticos como a vela, o ski e wakeboard ou para passeios em canoa e kayak, sempre tão revigorantes. Para os amantes das caminhadas e da bicicleta, há percursos cursos sinalizados que se podem fazer. São uma boa forma de descobrir costumes e tradições e nos integrarmos com as populações locais.

É um bom sítio para fazer uma surpresa à família, para a levar num passeio pelas estradas panorâmicas em redor do Alqueva ou, melhor ainda, alugar um barco-casa e dormir debaixo de estrelas. O que também é uma ideia a considerar para um fim-de-semana romântico. Não podemos esquecer que estamos numa região onde o céu foi considerado pela UNESCO uma reserva para observação de estrelas. À noite, as luzes públicas são reduzidas ao mínimo, para possibilitar as condições perfeitas para ver o céu, mesmo para os mais astrónomos mais principiantes.

Não podemos deixar de ir à nova Aldeia da Luz, a única povoação submersa pelas águas da barragem que teve de ser literalmente mudada de sítio. A propósito, foi criado um Museu, em que grande parte do espólio é constituída por objetos dos habitantes e onde todas as memórias da antiga aldeia ficaram registadas.

Também a localidade de Monsaraz é incontornável. Uma vila-museu medieval preservada, com muralhas e ruas de xisto que encanta e surpreende. Muito próximo, na área do Convento da Orada, o Cromeleque do Xerez, de forma quadrada, é uma visita obrigatória.

Naturalmente, no Alqueva, como por todo o país, não é possível resistirmos aos sabores da comida regional. Neste caso, destacam-se as açordas, as migas, os pratos de carne de porco, os enchidos e os vinhos do Alentejo.

No Grande lago, é fácil deixarmo-nos cativar pelo turismo rural enquanto apreciamos os prazeres da vida simples do campo e contemplamos a natureza em redor.


O céu do Alqueva

Não deixe de…
  • fazer um passeio de barco no Alqueva
  • observar o céu à noite
  • visitar Monsaraz

Imaginemos um lugar onde nos sentimos cobertos por um majestoso céu estrelado.

A sensação é indescritível e normalmente apenas possível de forma artificial, num planetário, onde nos sentamos confortavelmente para uma lição sobre as estrelas. Em Portugal, temos a sorte de ter essa sensação ao ar livre.

No meio do Alentejo, o maravilhoso céu do Alqueva parece um veludo escuro revestido por um imenso manto de estrelas. É uma área protegida e certificada internacionalmente, registada como uma reserva Dark Sky, ou “Starlight Tourism Destination”, que se estende por uma área de cerca de 3000 quilómetros quadrados.

Tendo o lugar sido reconhecido como preferencial para observação do céu, os municípios em redor do grande lago do Alqueva – AlandroalReguengos de MonsarazPortelMourãoMoura e Barrancos - juntaram-se num esforço para preservar essa característica especial e, por isso, à noite, baixam as luzes públicas ao mínimo para possibilitar um melhor usufruto deste fenómeno da natureza.


Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização

close