www.visitportugal.com

Alentejo

A norte pastam cavalos na lezíria; no vasto interior, a planura imensa, searas louras ondulando ao vento; no litoral praias selvagens, duma beleza agreste e inexplorada.

A amplitude da paisagem é entrecortada por sobreiros ou oliveiras que resistem ao tempo. Santarém é um miradouro natural sobre a imensidão do Tejo. Aqui e ali ergue-se um recinto muralhado, como Marvão ou Monsaraz, ou a antiguidade duma anta a lembrar a magia do lugar. Nos montes, casas térreas e brancas coroam pequenas elevações, os castelos evocam lutas e conquistas, e os pátios e jardins atestam influências árabes, que moldaram povo e natureza.

No Alentejo, a força da terra marca o tempo e cidades como Elvas, classificada Património Mundial pela Unesco, mostram a tenacidade das gentes.

Talvez por isso a cultura e a espiritualidade ganhem aqui um caráter particular. Basta conhecer Évora para perceber por que razão foi há muito classificada Património Mundial. Admiramos o templo de Diana e algumas das suas igrejas, como a de S. Francisco com a célebre Capela dos Ossos. Ou a catedral que marca a memória e identidade como todas as outras do Alentejo, em Santarém, Portalegre, Elvas e Beja. Memórias do passado são também o que perdura nas antigas judiarias, especialmente em Castelo de Vide.

A planura facilita os passeios a pé ou de bicicleta, mas os cavalos também fazem parte do lugar. No Campo Branco de Castro Verde podemos combinar esses passeios com a observação de aves e, em barragens como no Alqueva, a serenidade das águas ou a contemplação do manto de estrelas da Rota Dark Sky contaminam a placidez do local.

Mas não podemos passar para norte ou para sul sem explorar o litoral. Aí, a paisagem é alta e escarpada, com pequenas praias abrigadas entre arribas, e muitas que são ideais para o surf. E também aqui há aromas de campo, as ervas de cheiro temperam peixes, mariscos e outros pratos regionais, que se acompanham com excelentes vinhos da região. Porque todo o Alentejo vive ao ritmo da terra.

Galeria Videos: 

Codigo Interno: 

N1004

Imagem destaque: 

Muralhas do castelo

Imagem pesquisa: 

Marvão

Tab Genérica: 

Nome da Tab: 

Saiba mais

Descrição do Conteúdo: 

Turismo do Alentejo Tel +351 269 498 680 / Fax + 351 269 498 687 E-mail geral@turismodoalentejo.pt ; info@turismodoalentejo.pt Website http://www.visitalentejo.comFacebook www.facebook.com/turismodoalentejoYoutube www.youtube.com/ARPTA

Detalhes de Região / Localidade: 

Alentejo

Coordenada X: 

-8.10

Coordenada Y: 

38.60

Zoom Mapa: 

6

Mapa do Alentejo

Mapa do Alentejo

Mapas

O tempo é tudo... Com o mapa do Alentejo vai poder aproveitar o seu tempo da melhor forma. Para descansar, para se divertir e para descobrir esta região... ao seu ritmo.



Idioma

Alentejo - Tempo para ser Feliz

Alentejo - Tempo para ser Feliz

Vídeos



Festival Terras sem Sombra

Festival Terras sem Sombra

Eventos em Destaque

Aprecie o melhor da música sacra em alguns dos mais belos monumentos do Baixo Alentejo, numa visita às tradições e às raízes históricas da região.

Para além de divulgar o talento de compositores, intérpretes e artistas de reconhecimento internacional, o Festival Terras sem Sombra, o mais destacado festival de música sacra em Portugal, é também uma oportunidade para conhecer algumas das igrejas que fazem parte do património monumental do Baixo Alentejo.

Tendo a música como tema central, o festival integra também conferências temáticas, visitas guiadas, ações direcionadas para as artes e para a cultura, bem como um espaço de atividades paralelas onde se destaca a conservação da natureza e a salvaguarda da biodiversidade.

Data a anunciar
Contactos
Almodôvar, Odemira, Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Serpa, Castro Verde, Beja

Baja Portalegre 500

Baja Portalegre 500

Eventos em Destaque

Os fãs das provas todo-o-terreno não podem perder a Baja Portalegre 500 que se disputa nas estradas do Alentejo.

As competitivas pistas alentejanas recebem há cerca de vinte anos a mais tradicional prova de Todo-o-Terreno da Península Ibérica – a Baja Portalegre, que faz parte da Taça do Mundo de Rallyes Todo-o-Terreno da FIA – Federação Internacional do Automóvel. Esta prova é disputada nas categorias de automóvel, moto e quad e a sua qualidade e competitividade são confirmadas pela presença ano após ano dos mais importantes pilotos internacionais.

A Baja de Portalegre 500 é organizada pelo Automóvel Clube de Portugal e pontua para diversas competições como o Campeonato Nacional Vodafone de Todo-o-Terreno, Campeonato de Espanha de Todo-o-Terreno, II Challenge Nissan (Espanha), Troféu Tomaz Mello Breyner e Troféu RTP Todo-o-Terreno.

Data de Início:
26 Outubro 2017
Data de fim:
28 Outubro 2017
Contactos



Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

A Rota Vicentina

Ao longo da costa oeste, partimos à descoberta da Rota Vicentina. O oceano acompanha-nos entre as arribas recortadas e por vezes somos presenteados com campos de flores selvagens que parecem não ter fim. Não pode haver melhor proposta para uma caminhada… 

Esta grande rota pedestre, que no total tem cerca de 400 quilómetros ao longo de uma das mais belas e bem preservadas zonas costeiras da Europa, é constituída por dois percursos principais e oito circulares e surpreende-nos pela diversidade de paisagens.

O “caminho histórico”, com 230 kms, é o percurso mais extenso e parte de Santiago do Cacém até ao Cabo de São Vicente. É um itinerário rural, com 12 etapas por caminhos florestais, vilas e aldeias com séculos de história, e pode ser percorrido a pé ou de bicicleta.

Rota Vicentina
Photo: © Rota Vicentina

Já o “trilho dos pescadores” segue sempre junto ao mar por caminhos de acesso a praias e pesqueiros, ao longo de 120 kms, entre Porto Covo e Odeceixe. É um percurso exclusivamente pedestre, mais exigente do ponto de vista físico, e está organizado em quatro etapas e cinco percursos complementares.

Rota Vicentina
Photo: © Rota Vicentina

Cada etapa nunca tem mais de 25 quilómetros e está pensada para um dia. A programação fica ao critério de cada um, com a possibilidade de experimentar apenas as que melhor se adequarem às preferências ou condições físicas.

Em vários dias, podemos seguir a rota de forma sequencial, dormindo nas unidades de alojamento associadas ao projeto. Avisadas atempadamente, podem até organizar entre si o transporte da bagagem, para comodidade e conforto dos caminhantes. Será possível visitar o património monumental e experimentar a deliciosa gastronomia da região, em que se destacam os mariscos, o peixe fresco e as saborosas cozinhas do Alentejo e do Algarve, já que a Rota atravessa as duas regiões.

Rota Vicentina
Photo: © Rota Vicentina

Pelo caminho, poderemos desfrutar da paisagem em pleno e apreciar as surpresas que a natureza nos presenteia, como as flores do campo, o aroma das ervas na frescura da manhã ou o colorido das borboletas. Uma observação mais minuciosa requer algum tempo extra, mas oferece oportunidades raras, como avistar lontras que quase nunca se encontram em ambientes marinhos ou ver as cegonhas que aqui nidificam nas arribas costeiras, um caso único no mundo.

Rota Vicentina
Photo: © Rota Vicentina

Quem dispõe de pouco tempo ou tem mais dificuldades a nível físico, poderá optar pelos percursos circulares que são mais curtos e têm sempre início e fim no mesmo local, podendo ser efetuados em meio dia ou até menos. Estes percursos complementam e enriquecem os principais (Caminho Histórico e Trilho dos Pescadores) e totalizam cerca de 90 kms, estando localizados em Almograve, São Luís, Troviscais, Santa Clara, Sabóia, Bordeira e Carrapateira.

Vale a pena fazer uma paragem de um dia ou dois para experimentar uma atividade como o surf, na ondulação forte do oceano atlântico, ou para descobrir uma praia tranquila, e quem sabe mesmo deserta, e relaxar do passeio. Em alternativa ao mar, as ribeiras e os rios são também boas sugestões para aliviar o calor nos dias de verão.

Rota Vicentina
Photo: © Rota Vicentina

Muitos destes trilhos já eram bem conhecidos dos peregrinos que partiam do Cabo de São Vicente com destino a Santiago de Compostela. Como eles, podemos equipar-nos com calçado e roupa confortável e pormo-nos a caminho, sem deixar rasto da passagem para manter este reduto de natureza preservada. Será, com certeza, uma caminhada inesquecível…


Gastronomia do Alentejo

Não deixe de…
  • saborear um gaspacho
  • provar os vários pratos de migas e as açordas
  • acompanhar a refeição com um bom vinho da região
  • deliciar-se com um queijinho regional

A criatividade e a imaginação na utilização de ingredientes muito simples fizeram da gastronomia alentejana uma surpresa de sabores e uma prova da hospitalidade dos alentejanos.

Em tempos, foi uma região de trigo e de grandes planícies onde as varas de porcos pastavam livremente nos montados e olivais. Por isso, o pão, o porco e o azeite tornaram-se a base de uma das mais gostosas cozinhas de Portugal, numa suave combinação com ervas aromáticas como os coentros, a salsa, o rosmaninho, os orégãos, o poejo ou a hortelã.

Uma das delícias regionais são os pequenos pratos de petisco. Seja como entrada ou para uma degustação de especialidades, os ovos mexidos com espargos selvagens, os pimentos assados, os torresmos ou as migas de vários sabores e combinações são uma tentação.

sopa, que pode ser o prato principal, é obrigatória. Pode ser um gaspacho, servido frio, ou uma sopa de cação, de bacalhau ou de tomate com linguiça, feitas com pão. A que não se pode mesmo deixar de provar é a mais simples de todas: a açorda alentejana, que se faz com água, azeite, alho, ovo escalfado, pão e coentros. Também de pão, são feitas as migas que acompanham as carnes de porco fritas ou o bacalhau desfiado, por exemplo.

No litoral, vale a pena experimentar o peixe fresco da costa ou outras especialidades como os percebes ou os pratos com amêijoa, como a carne de porco à alentejana.


Évora, Património da Humanidade

Não deixe de…
  • tirar uma fotografia no Templo Romano
  • andar ao acaso e ir descobrindo a cidade
  • comer um gelado na praça do Giraldo
  • comprar uma peça de artesanato
  • visitar a Capela dos Ossos

Évora, é uma cidade que é um livro de história de arte portuguesa. 

Para a visitar, a melhor forma de o fazer é a pé, percorrendo as ruas estreitas, de casas brancas, para se ir descobrindo os monumentos e os pormenores que revelam a história de Évora e a riqueza do seu património.

Pelo seu ambiente tranquilo e acolhedor, vai ser fácil perceber porque é que esta cidade, que teve origem na época romana, foi escolhida pelos reis de Portugal no séc. XV para viver, facto que contribuiu para o desenvolvimento e importância cultural que teve nos séculos seguintes. Na verdade, foi a sua longa história, e o facto de se ter preservado um conjunto urbano representativo dos séculos XVI a XVIII até aos dias de hoje, que levou a UNESCO a classificar Évora como Património Mundial.


Para começar, a Praça do Giraldo...
É o coração da cidade e um ponto de encontro por excelência, com cafés, esplanadas, lojas e o posto de turismo. Num dos extremos, fica a Igreja de Santo Antão e o Chafariz de mármore com 8 bicas, representando as 8 ruas que aí vão dar.


Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização

close