www.visitportugal.com

O século XIX, XX e XXI nas ruas de Lisboa

Ao longo de dois dias percorra as ruas de Lisboa à descoberta de marcos da arquitetura dos séculos XIX, XX e início do séc. XXI.

Comece o roteiro na Baixa, na Rua do Ouro, onde se distingue o elevador de Santa Justa , de estilo neogótico. O elevador, inaugurado em 1902, foi projetado pelo engenheiro Raoul Mesnier de Ponsard. Aprecie a arquitetura em ferro e suba até ao Chiado, zona nobre da cidade, parcialmente reconstruída sob projeto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, após o incêndio de 1988. Subindo a Rua Garrett em direção ao Largo de Camões, irá deparar-se com a estátua do poeta Fernando Pessoa  sentado em frente ao café A Brasileira. Este café, inaugurado em 1905 e estilo Art Déco, é considerado o primeiro museu de arte moderna de Lisboa, devido à existência de obras de autores modernistas que sendo frequentadores assíduos do café, ofereceram as suas obras para decorar as paredes. A fachada característica deste estabelecimento é da autoria do arquiteto Norte Júnior.

Volte a descer pela Rua do Carmo passando pela Praça Dom Pedro IV, também conhecida como Praça do Rossio  e siga em direção à Praça dos Restauradores, onde poderá apreciar o antigo Cinema Éden , obra-prima da Art Déco em Portugal, projetado na década de 1930 por Cassiano Branco. No final do século XX foi transformado em hotel, preservando-se parte da fachada. Em frente ao Edifício Éden desça por uma pequena ladeira até chegar à rua das Portas de Santo Antão. Irá encontrar a Casa do Alentejo, antigo palácio de estilo mourisco construído possivelmente nos finais do séc. XVII, mas que sofreu profundas alterações no início do séc. XX.

Suba a Avenida da Liberdade  que possui vários edifícios de interesse como o Cinema São Jorge, projetado pelo arquiteto Fernando Silva inaugurado em 1950; o Teatro Tivoli  projetado pelo arquiteto Raul Lino, inaugurado em 1924 ou a antiga sede do Diário de Notícias do arquiteto Pardal Monteiro. Este edifício ganhou o Prémio Valmor em 1940 e foi a primeira obra arquitetónica a ser projetada de raiz para um jornal em Portugal.

As Torres das Amoreiras , símbolo da arquitetura dos anos 80 do séc. XX, surgem no topo da Avenida Engenheiro Duarte Pacheco. São consideradas um dos maiores símbolos do período pós-modernista da arquitetura em Portugal e foram projetadas pelo arquiteto Tomás Taveira.

Propomos-lhe que siga em direcção ao Rio Tejo. Em Alcântara, aprecie o Museu do Oriente , antigo armazém de bacalhau, e a LX Factory , um antigo complexo industrial que atualmente serve de base a muitas empresas criativas na área da publicidade, moda, multimédia e arte. Sugerimos também uma passagem pelas Docas, onde armazéns desativados deram lugar a restaurantes, bares e discotecas. Não perca o Pilar Sete , um ponto de interesse que nos leva numa experiência sensorial sobre a construção da ponte 25 de abril.

Seguindo em direção a Belém, aprecie o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, desenhado pelo atelier da britânica Amanda Levete, e o novo Museu dos Coches  projetado pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha. Faça depois uma pausa no Centro Cultural de Belém , obra emblemática da última década do século XX, situada junto ao Mosteiro dos Jerónimos. Pode ainda apreciar o edifício da Fundação Champalimaud , da autoria do arquiteto Charles Correa que alberga um centro clínico e um centro de investigação na área da saúde. Em Algés, poderá apreciar a Torre de Controlo Marítimo  projetada pelo arquiteto Gonçalo Byrne.


Maat © Stock Photos Art

Inicie o segundo dia no Terminal de Cruzeiros  da autoria do arquiteto Carrilho da Graça e depois siga em direção ao Parque das Nações. Nesta antiga zona industrial reabilitada para a Exposição Universal de 1998, encontramos obras que ficaram para a posteridade como o Pavilhão de Portugal, com a sua impressionante pala desenhada por Siza Vieira, o Pavilhão do Conhecimento de Carrilho da Graça, o Oceanário de Peter Chermayeff e a Estação do Oriente de Santiago Calatrava. Observe ainda a Ponte Vasco da Gama inaugurada em 1998, com um comprimento total superior a 12 km.

Regresse ao centro de Lisboa e conheça uma área construída em meados do século XX e então designada como “Avenidas Novas”. Visite a Igreja de São João de Deus e bem perto aprecie o monumental conjunto formado pela Alameda D. Afonso Henriques e o Instituto Superior Técnico da autoria de Pardal Monteiro. Admire ainda outras obras deste arquiteto, como a Biblioteca Nacional e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, com belíssimos vitrais de Almada Negreiros.

No final da tarde visite a Fundação Calouste Gulbenkian, um amplo espaço de cultura e lazer construído nos anos 60. Aprecie o magnífico edifício e aproveite também para ver as exposições, assistir a um espectáculo ou simplesmente passear nos jardins de grande valor paisagístico, da autoria do arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Teles, um verdadeiro oásis no meio do bulício citadino.



Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais