www.visitportugal.com

Live Chat

Outros

Representa POIs do Tipo Outros

Largo do Toural

Largo do Toural

Outros

Se no Largo de São Tiago a atmosfera que se respira relembra um passado medievo, na arquitetura do Largo do Toural nota-se a preocupação de planeamento largo e arejado própria do iluminismo do séc. XVIII, revelando diferentes fases de história urbana que Guimarães preservou.

Prosseguindo pela rua Paio Galvão, vai encontrar o Museu Martins Sarmento, dedicado a coleções de arqueologia, que ocupa parte dos belíssimos claustros medievais do convento de São Domingos. Acompanhando a arquitetura do convento, chega-se à rua D. João I, ladeada de casas antigas e varandas. No fim da rua, sobre a esquerda, ergue-se a capelinha da Senhora da Ajuda, com o ano de 1600 gravado na pedra.

Entre os largos do Toural, de João Franco e da Condessa de Juncal não faltam motivos de interesse: Castelo dos Almadas (Rua Dr. Avelino Franco), Capela do Anjo da Guarda, o Palácio dos Lobo Machado, típica moradia nobre do séc. XVIII, a Casa dos Coutos, mesmo em frente (na rua D. Maria II).



Calcular
É necessário seleccionar um ponto de partida.

Antiga Judiaria da Covilhã

Antiga Judiaria da Covilhã

Outros

A antiga judiaria da Covilhã ficava delimitada pelas atuais Rua das Flores, Rua do Ginásio Clube, Rua da Alegria, Beco da Alegria e Travessa da Alegria, constituindo uma área integrada no interior das muralhas medievais.

As ruas estreitas e sinuosas acompanham o declive da encosta adaptando-se ao terreno e assumindo o caráter natural de muros. As casas seguem a tipologia medieval, com 2 a 3 pisos, sendo o piso térreo destinado a loja e os superiores a habitação. Dos elementos decorativos destacam-se duas janelas manuelinas, uma na Rua das Flores nº 29 e outra na Rua do Ginásio Clube nº 39. Segundo dados arqueológicos, a Sinagoga, centro de conhecimento nas comunidades judaicas, ficava situada na Rua das Flores.


Festas da Senhora d'Agonia

Festas da Senhora d'Agonia

Outros

Data de 1744 a veneração de Viana do Castelo à Virgem da Agonia, invocada pelos pescadores para que o mar lhes seja benigno. Fixado o dia 20 de agosto para as festas em sua honra, em 1772 uma portaria régia autorizou a realização de uma feira franca na cidade, nos dias 18, 19 e 20 do mesmo mês. Desde então, a romaria da Senhora d´Agonia tornou-se numa das mais belas, coloridas e grandiosas festas populares de Portugal.

Vários cortejos animam os três dias das festas, acompanhados de muita música e gente bonita que veste os mais belos trajes tradicionais do Minho: o desfile da mordomia, acompanhado por foguetes e bandas de música saúda a Comissão das Festas e os mais altos representantes da cidade, terminando na Praça da República onde os "zabumbas" fazem vibrar os seus enormes bombos e desfilam os "Gigantones" , enormes e estranhas figuras que há mais de cem anos vieram de Santiago de Compostela animar a Romaria d´Agonia; o cortejo etnográfico, com os carros alegóricos que recordam os costumes dos trabalhos do Minho, da terra e do mar, verdadeiro museu vivo de etnografia; o cortejo histórico que conta, numa mistura de lenda e realidade, histórias que marcaram Viana do Castelo.

A admirável procissão do mar simboliza a ligação profunda da cidade com o elemento que lhe forjou a história e parte da sua sobrevivência.
A imagem da Senhora d´Agonia com o seu manto roxo e azul é embarcada numa traineira, entre foguetes e repique dos sinos, e vai abençoar o mar para que ele seja sempre generoso no sustento e na bonança. A embarcação que leva a Senhora navega por entre um cortejo de centenas de barcos com os mastros embandeirados, regressando no final do dia à sua capela barroca, onde as portas ficam abertas para a devoção.

Milhares de pessoas espalham-se por tasquinhas e restaurantes onde a cozinha portuguesa, regada com o vinho verde da região, parece ter um sabor mais vivo, enquanto outras se juntam em redor dos coretos para escutar as bandas de música. Na última noite dos festejos, sobre a ponte centenária do rio Lima, onde se refletem as luzes das embarcações, uma brilhante cachoeira de fogo-de-artifício anuncia que a festa da Senhora d´Agonia terminou.


Menos Papel, Mais Ambiente

Menos Papel, Mais Ambiente

Outros

Por razões ecológicas e de sustentabilidade ambiental, o Turismo de Portugal, I.P., na sua missão de promover o turismo nacional, privilegia o recurso à internet em detrimento de materiais impressos. Colabore connosco na preservação do ambiente e imprima apenas o necessário.

Multimédia / Download de Brochuras e Mapas
www.visitportugal.com/pturismo/Downloads/download.aspx'tipo=2

Destinos
Porto e Norte - www.portocvb.com
Centro de Portugal - www.visitcentro.com
Lisboa Região - www.visitlisboa.com
Alentejo - www.visitalentejo.com
Algarve - www.visitalgarve.pt
Açores - www.visitazores.com
Madeira - www.madeiraislands.travel


Largo do Carmo

Largo do Carmo

Outros

O Largo do Carmo é atualmente um lugar calmo e tranquilo mas a sua história evoca outros momentos mais agitados na história de Portugal. Os edifícios pombalinos e o chafariz do séc. XVIII, a meio da praça, são os sinais da reconstrução do local, depois da destruição provocada pelo terramoto de 1755, embora o vestígio mais evidente seja as ruínas do Convento do Carmo, que acabou por não ser totalmente recuperado.

Uma das partes do convento está ocupado pelo quartel da Guarda Nacional Republicana (G.N.R.). Foi aqui que teve lugar um dos episódios mais significativos da Revolução dos Cravos, em 1974. No dia 25 de Abril, o primeiro-ministro do governo que esteve no poder durante 48 anos, Marcello Caetano, refugiou-se no quartel. Na praça, estava uma companhia das Forças Armadas que conduziram o movimento e milhares de cidadãos que incentivavam o desenrolar dos acontecimentos. Acabaram por tomar o quartel com sucesso, dirigidos pelo capitão Salgueiro Maia.

Nesse dia, as operações bem sucedidas noutras partes da cidade e do país, em que se ocuparam órgãos públicos como a Radiotelevisão Portuguesa, o Rádio Clube Português, o Banco de Portugal, o Quartel General da Região Militar de Lisboa e do Porto, o Aeroporto da Portela, as Penitenciárias e a sede da Polícia Política do Regime (P.I.D.E./D.G.S.), que ficava muito perto, no Chiado (Rua António Maria Cardoso), determinaram o fim do regime ditatorial.

Com a Revolução dos Cravos, o período do Estado Novo chegou ao seu fim, a liberdade de expressão foi reconquistada e o regime democrático que existe atualmente em Portugal foi instituído. O dia 25 de Abril é feriado nacional.


Tapeçaria de Portalegre

Tapeçaria de Portalegre

Outros

A tapeçaria de Portalegre é a expressão de um espírito criativo português na indústria têxtil. Representando desde a sua origem uma inovação das técnicas tradicionais, é feita com um ponto de nó, desenvolvido por Manuel do Carmo Peixeiro no início do século XX, num tear vertical, inventado por Guy Fino.

O ponto de nó utilizado nesta tapeçaria consiste no envolvimento completo dos fios da teia, construindo-se o desenho ponto a ponto, com um detalhe impressionante. As fiadas são intercaladas por uma trama de ligação, que torna a peça regular e uniforme, sem os espaços abertos habituais na tapeçaria tradicional quando há mudança de cor. Esta técnica permite o controlo da mancha cromática, o rigor do contorno e a passagem subtil das tonalidades, possibilitando a transcrição perfeita de uma pintura ou de um desenho para este suporte têxtil.

Por sua vez, o tear combina a vantagem mecânica dos teares de baixo-liço com o controle de execução de alto-liço, ao permitir o controlo manual da teia dividindo os fios em pares e ímpares, característica dos teares horizontais a pedais. Os desenhos são ampliados com rigor, em papéis quadriculados, em que cada quadrado corresponde a um ponto e a uma cor. Fazem-se 5 pontos por centímetro, resultando numa densidade de 250.000 pontos por metro quadrado.

A Tapeçaria de Portalegre é uma materialização da obra plástica, constituindo ela própria uma obra de arte original, graças às suas características técnicas. Conscientes do seu valor, muitos artistas plásticos escolheram esta técnica para reproduzir ou criar os seus trabalhos, como por exemplo Almada Negreiros, Vieira da Silva, Arpad Szenes, Júlio Pomar, Abel Manta, Costa Pinheiro e José de Guimarães, entre outros.

Imagem in "Turismo Norte Alentejano - 2001"


Os Descobrimentos Portugueses

Os Descobrimentos Portugueses

Outros

Reinado de D. João I (1385-1433)
1415 - Conquista de Ceuta
1418 - João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz descobrem a Ilha de Porto Santo
1419 - João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz descobrem a Ilha da Madeira
1427 - Diogo de Silves descobre as Ilhas dos Açores

Reinado de D. Duarte (1433-38)
1434 - Gil Eanes dobra o Cabo Bojador

Reinado de D. Afonso V (1438-1481)
1441 - Nuno Tristão conduz a expedição ao Cabo Branco, na Costa de África
1445 - Nuno Tristão conduz a expedição ao Senegal

Reinado de D. João II (1481-95)
1460 - Diogo Gomes descobre o arquipélago de Cabo Verde
1471 - Descoberta das ilhas de Fernão Pó, São Tomé, Príncipe e Ano Bom
1483 - Diogo Cão descobre a foz do Rio Congo
1485 - Diogo Cão chega à Namíbia
1488 - Bartolomeu Dias dobra o Cabo da Boa Esperança

Reinado de D. Manuel I (1495-1521)
1498 - Vasco da Gama descobre o Caminho Marítimo para a Índia
1500 - Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil
1501 - Gaspar Corte Real chega à Terra Nova
1510 - Afonso de Albuquerque conquista Goa
1511 - Os navegadores portugueses chegam às Ilhas Molucas
1513 - Portugueses estabelecem feitorias na China, Macau e Cantão
1519 - O português Fernão de Magalhães inicia a primeira viagem de circum-navegação do globo, que termina em 1522

Reinado de D. João III (1521-57)
1543 - Os navegadores portugueses chegam ao Japão


Piscina das Marés

Piscina das Marés

Outros

A praia de Leça da Palmeira tem um dos maiores areais do Norte de Portugal e é um local de referência para os tempos de lazer desde o início do séc. XX, quando era frequentada pela colónia inglesa residente no Porto.

Aqui podemos encontrar uma piscina de água salgada, muito bem integrada na paisagem, a Piscina das Marés, projetada pelo arquiteto Álvaro Siza Vieira e construída entre 1961 e 1966.


Em Viseu, do Rossio ao Largo de São Miguel

Em Viseu, do Rossio ao Largo de São Miguel

Outros

Do Rossio parte a rua Formosa, que cruza com a rua do Comércio e um pouco mais adiante com a rua Direita, a mais comprida da cidade e uma das mais antigas. É delimitada por algumas casas do séc. XV com pormenores dignos de referência, tais como portões brasonados, janelas e portais manuelinos, a dar um cunho de especial encanto a este passeio pela nobre cidade de Viseu.

Na rua dos Andrades, sobre a direita, nos nºs. 23 a 31 atente num magnífico exemplar de palácio português brasonado, barroco da primeira metade do séc. XVIII, o Solar dos Condes de Prime que ostenta o brasão da família Teixeira de Carvalho. Retornando à rua Direita prossiga até ao largo Mouzinho de Albuquerque, onde encontrará a igreja de Santo António, que possui uma riquíssima coleção de azulejos do séc. XVIII e bons retábulos de talha dourada.

Destaque também para a Casa do Arco que foi dos Albuquerques. Tem contíguo um arco correspondente a uma das portas inscritas na muralha afonsina que sobreviveu até hoje, conhecido por Porta dos Cavaleiros, que deu o nome a um excelente vinho da região do Dão. No largo destaca-se ainda o monumento aos mortos da Primeira Grande Guerra, obra do escultor Anjos Teixeira.

Prossiga pela rua de João Mendes, onde no séc. XV terá morado o Mestre Grão Vasco. Repare na Casa das Bocas, do séc. XVIII, que apresenta a curiosidade de ter adaptadas umas gárgulas que foram retiradas da Catedral nesse mesmo século. No largo de S. Miguel verá uma pequena igreja - S. Miguel do Fetal, em estilo barroco pobre, e ligada a tradições antiquíssimas. Volte à rua João Mendes e termine este longo passeio em círculo no Largo de Santa Cristina.

No largo ajardinado destaca-se a igreja do Carmo, de elegante arquitetura e a estátua de bronze, do escultor António Teixeira Lopes, representando o prelado que lhe deu o nome, D. António Alves Martins (1808-1882), popular personalidade da terra, que foi orador, jornalista e bispo de Viseu.


A Baixa do Porto

A Baixa do Porto

Outros

Em torno da Avenida dos Aliados desenvolve-se a "Baixa" do Porto, o ponto de encontro da cidade. No topo fica o edifício da Câmara Municipal, e, no outro extremo da Avenida, a Praça da Liberdade que tem ao centro a estátua equestre de D. Pedro IV (s. XIX), que foi também Imperador do Brasil e partidário do Liberalismo que a cidade do Porto apoiou. Reconhecido, o rei doou-lhe o seu coração, guardado na Igreja da Lapa.

Ao lado desta Praça, visite a Estação de São Bento com bonitos azulejos no vestíbulo, seguindo pela Rua das Flores, com as sua lojas de ourives e a exuberante fachada barroca da Igreja da Misericórdia, obra do arquiteto barroco Nicolau Nasoni.

Em redor deste eixo encontram-se ruas animadas por lojas e cafés, em especial o magnífico Majestic e o agitado e colorido Mercado do Bolhão. Nas ruas 31 de janeiro , Galeria de Paris e Cândido dos Reis chamam a atenção fachadas com ornamentos de Arte Nova.

Subindo a rua de São Filipe Néry, encontrará a Igreja e Torre dos Clérigos, ex-libris da cidade e a obra mais original de Nicolau Nasoni. Do alto dos 75 m da torre poderá usufruir de uma soberba panorâmica sobre o Porto. Pelo caminho, entre na Livraria Lello para admirar a sumptuosa decoração em madeira.


Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização

close