www.visitportugal.com

Live Chat

Sugestões

Festivais de Verão

Música, sol e mar, festa todas as noites e 850 km de praias: é a melhor das combinações, nos festivais de verão em Portugal.

Temos bons concertos, boas praias, gente simpática e noites que se prolongam até o dia nascer. Desde espetáculos com grandes talentos a grandes eventos do calendário internacional, Portugal adora os seus festivais.

Para além de ter boa música, os festivais são uma oportunidade para conhecer os sítios num ambiente de total descontração e de forma divertida.

Lisboa e Porto têm sido reconhecidos, todos os anos, como os destinos ideais para umas miniférias e têm noites muito animadas que são a continuação natural do ambiente de festa. Destacam-se nestas cidades o NOS Alive e o Super Bock, Super Rock, em Lisboa, assim como o NOS Primavera Sound, no Porto.

Vodafone Paredes de Coura

Na região Porto e Norte, o Vodafone Paredes de Coura na Praia fluvial do Taboão é um bom exemplo de um cenário paradisíaco no meio da natureza. Passeios de bicicleta, trekking, canoagem e banhos de rio são apenas algumas das sugestões que podem complementar na perfeição uns dias bem passados.

Já no litoral, os famosos festivais MEO Sudoeste na Zambujeira do Mar e Músicas do Mundo em Sines, ambos no Alentejo, ficam perto da praia com tudo de bom que isso tem. É uma excelente altura para dar um mergulho e ter umas aulas de surf… nos melhores spots da costa portuguesa. E no Algarve, em Loulé, o Festival Med, transforma o centro histórico da cidade num palco para diversas manifestações artísticas inspiradas na cultura dos países mediterrânicos.

Mas nada como consultar www.portuguesesummerfestivals.com e a agenda e ver quem vai cá estar. Depois é só carregar baterias e seguir o beat! 


Festas dos Santos Populares

Junho é o mês dos Santos Populares com festas e arraiais por todo o país nas noites de Santo António, de São João e de São Pedro.

As principais são as Festas de Lisboa, de 12 para 13 de junho, dia de Santo António, e as do Porto, na noite de 23 para 24 de junho, quando se celebra o S. João. São festas duma grande animação, em que o povo vem para a rua comer, beber e divertir-se pelas ruas dos bairros populares, engalanadas com arcos, balões coloridos e cheiros de manjerico.



Em Lisboa as marchas populares de cada bairro desfilam pela Av. da Liberdade, enchendo aquela artéria de centenas de figurantes, música, colorido e muito público. Mas a enchente e a animação não são menores nas ruas desses bairros, com destaque para Alfama, mas também para a Graça, Bica, Mouraria ou Madragoa. Nos largos e vielas medievais, come-se caldo verde e sardinha assada, canta-se e baila-se noite dentro. Outro momento alto é a procissão de Santo António, que no dia 13 sai da sua igreja, situada em Alfama, junto à Sé, no local onde este santo nasceu, cerca de 1193.



No Porto, a festa é idêntica em cor e alegria ao longo dos bairros mais tradicionais, como Miragaia, Fontainhas, Ribeira, Massarelos e outros. Mas o Porto tem ainda outros usos e costumes: se antigamente os foliões batiam com alho-porro na cabeça dos companheiros, hoje usam martelinhos de plástico com o mesmo fim; por outro lado, além do feérico fogo-de-artifício que é lançado à meia-noite em pleno rio Douro, no Porto também se lançam coloridos balões de ar quente, numa das mais bonitas celebrações destes festejos populares. A noite acaba para muitos junto à praia, para ver nascer o sol ou para um banho matinal, como manda a tradição.



A 29 de junho comemora-se ainda o São Pedro, também com festas populares em várias localidades do país, como Sintra ou Évora, ambas na lista do Património Mundial. Évora, aliás, tem a particularidade de celebrar dois santos populares, pois realiza desde o séc. XVI a feira de S. João, uma das maiores da região sul de Portugal, comemorando também o dia de S. Pedro como feriado municipal.

Em todas as festas é também de tradição saltar a fogueira e oferecer à namorada ou namorado aromáticos vasos de manjerico, onde se colocam quadras, muitas vezes falando de amor, ou não estivessem estas festas ligadas ao solstício de verão e a antigos rituais de fertilidade.


Aquaparques em Portugal

Em Portugal encontram-se parques aquáticos de norte a sul do país que garantem momentos de boa diversão, sob o generoso sol português. 

O sol e o mar são uma constante neste país de mais de 800km de costa, mas já não é preciso passar o dia na praia para guardar recordações de horas bem passadas dentro de água, com ou sem crianças. Os parques aquáticos mais concorridos encontram-se no Algarve (Slide & Splash, Aqualand Big One), mas existem outros igualmente divertidos em todo o país, com piscinas e escorregas para todos os gostos, tubos, túneis e pistas aquáticas, jacuzzis e muitas outras formas de cativar o interesse, quer se procurem experiências mais radicais ou mais tranquilas, sem tanta adrenalina.

As diversões aquáticas fecham no inverno e abrem n o verão. Mas alguns também têm animais, seja só para os admirar ou conhecer melhor, seja para brincar com eles dentro de água, como no Zoomarine e no Aqua Show Family Park, no Algarve. Todos oferecem, porém, áreas de lazer bem cuidadas, restaurantes, e alguns até alojamento, contando sempre com infraestruturas desportivas e diversões alternativas para que não falte nada ao visitante mais exigente.

Assim, mesmo quem está no interior ou não quer ir à praia, encontra o Parque Aquático de Amarante e o Naturwaterpark de Vila Real no norte de Portugal, o Panorâmico Aquaparque junto a Pombal, o Norpark na Nazaré ou o Sportágua em Peniche, estes no Centro de Portugal. E ainda podemos visitar o Aquaparque Santa Cruz, na ilha da Madeira.

Se mencionámos apenas alguns dos parques aquáticos, merecem referência também algumas praias artificiais: no Centro de Portugal encontram-se a Live Beach Mangualde, perto de Viseu, e a Praia das Rocas (com ondas artificiais), em Castanheira de Pera. Tal como os parques, oferecem dias bem refrescantes a mergulhar, saltar, deslizar, brincar com os filhos… Enfim, dias cheios de emoção!


Férias em Família

Portugal oferece excelentes condições para umas férias em família, já que é um pequeno país à beira do Atlântico, ideal para atividades de exterior ou interior.

Portugal tem cerca de 800 km de comprimento máximo no território continental, que se percorrem facilmente, proporcionando uma grande variedade de experiências, sempre a curta distância. É um país seguro, brindado com o maior número de horas de sol por ano de toda a Europa e dispõe duma excelente rede viária e de aeroportos internacionais junto dos principais destinos turísticos, o que o torna sempre uma escolha certa para miúdos e graúdos.

Aqui, os mais novos vão adorar conhecer um sem número de locais, a começar pelos parques de animais. O Oceanário e o Aquário Vasco da Gama, em Lisboa, o Fluviário de Mora, os vários zoos, com destaque para o Jardim Zoológico de Lisboa ou o Badoca Safari Park, no Alentejo, são alguns dos mais conhecidos. Tal como o Zoomarine no Algarve, que faz a ponte entre um parque temático e os concorridos parques aquáticos que abundam na região, mas se espalham um pouco por todo o país:  Nazaré, Amarante, Pombal ou Santa Cruz, na Madeira, são algumas das localidades onde se podem encontrar piscinas e escorregas de todos os tamanhos e feitios com diversão garantida para todos. Mas podem divertir-se também, e aprender, nos vários Centros de Ciência do continente e ilhas, onde sobressaem o Planetário Calouste Gulbenkian e o Pavilhão do Conhecimento, ambos em Lisboa. São ainda muito procurados o Museu da Marioneta em Lisboa, os museus do brinquedo e os centros de equitação que se encontram por todo o país ou o Portugal dos Pequenitos que, em Coimbra, atrai crianças desde há muitas gerações.

Um bom momento para os mais novos também pode ser um piquenique no Parque do Campo Grande ou de Monsanto, em Lisboa, no Parque da Cidade ou de Serralves, no Porto, e em tantos outros de norte a sul de Portugal. Assim como um passeio de burro. Ou  de barco. Porque não ir ver os golfinhos no estuário do Sado? Até a história pode ser palco para umas férias em cheio quando, num castelo, pais e filhos aprenderem algo das batalhas que ali se travaram, ou perceberem melhor a vida de reis e princesas num dos vários palácios que podem visitar.

Mais ou menos didáticas, mas sempre animadas, as crianças vão adorar participar em atividades à sua altura, com ou sem a companhia dos pais. 


O Melhor de Portugal

Portugal foi considerado Best Value Destination pela Lonely Planet,  um dos destinos a visitar em 2015 com a melhor relação qualidade/preço.

Em 2014, já tinha sido sugerido como o melhor destino pela edição espanhola da revista Condé Nast Traveler, após ter sido igualmente selecionado como Best Value Destination 2014 pela publicação Rough Guide. Entre as principais atrações de Portugal, foram destacados a cultura, a gastronomia e os vinhos, as praias, o golfe, a história, a variedade das paisagens, e sobretudo, a hospitalidade do povo português, considerado pelos espanhóis afável, aberto e sincero.

Lisboa e Porto
Lisboa é a capital de Portugal e o Porto é a segunda maior cidade, no norte do país. São duas cidades vibrantes e cheias de história que conservam uma dimensão humana, com os seus bairros históricos, monumentos e fachadas de azulejo.

O Melhor de Portugal - Lisboa

Lisboa é chamada cidade branca pela luz do sol que o rio Tejo reflete. Conquistou em 2014 o título de Travellers’ Choice do TripAdvisor que já ganhara em 2013, ano em que foi também eleita Melhor Destino em férias de cidade da Europa pelos World Travel Awards.

O Melhor de Portugal - Lisboa

Já o Porto, que também deu nome a um vinho saboreado em todo o mundo, foi novamente eleito em 2014 como Melhor Destino Europeu  e é uma das 14 cidades top eleitas pela British Airways para visitar. Antes disso foi a 2ª cidade nos Travellers’Choice 2013 do TripAdvisor para os destinos em crescimento na Europa.

       World Travel Awards - Europe Leading City Break Destaination                        Condé Nast Traveler - Mejor Pais 2014


Passeios a pé

Com um clima agradável ao longo de todo o ano, passear a pé por Portugal é uma das melhores formas de descobrir cantos e recantos que de outro modo nunca chegaríamos a conhecer.

Pico Mountain trail - Turismo dos Açores/Veraçor

Pelas ruas de cidades e vilas, através dos campos ou à beira mar, os passeios podem ter pontos de partida e de destino bem definidos, ou desenvolverem-se simplesmente ao sabor da vontade, pelo prazer de andar e de observar o que se encontra pelo caminho. Para orientação podemos usar mapas ou então seguir as marcas deixadas no terreno pela passagem daqueles que os percorreram antes.

Rota Vicentina

Mas também há percursos sinalizados no terreno, com itinerários certificados e bem definidos que oferecem segurança a todos os que os queiram seguir. Estes são homologados pela Federação de Campismo e Montanhismo, a entidade com competência para tal. De acordo com a sua extensão são classificados de Grandes Rotas, Pequenas Rotas ou Percursos Locais. As Grandes Rotas (GR) têm sempre mais de 30 quilómetros e algumas estendem-se mesmo por outros países, são transeuropeias, como o Caminho do Atlântico (GR–E9) que tem início em São Petersburgo na Rússia e atravessa toda a Europa. Com extensão inferior a 30 quilómetros, as Pequenas Rotas são normalmente definidas na área de um concelho e os percursos locais abrangem distâncias mais reduzidas. Caminhar é assim uma atividade ao alcance de qualquer um, que apenas precisa de seguir os sinais no terreno para não se perder.

Walking - ARPT Centro de Portugal

Para maior segurança podemos levar outros meios de orientação, como os mapas detalhados do terreno a grandes escalas, que são produzidos pelo Instituto Geográfico Português. Ou a tradicional bússola e outras aplicações disponíveis num telemóvel, bem como guias e roteiros com informações que complementem aquilo que se observa. Podemos aliar a caminhada à busca de pequenos “tesouros” praticando geocaching com o auxílio indispensável do GPS. Fundamental para todos é o tipo de roupa e calçado que devem ser confortáveis e adequados ao clima e ao terreno. E como nem sempre se pode contar com estabelecimentos que sirvam bebidas e refeições, convém levar água e alguns alimentos.

Pico do Areeiro - DRT Madeira

Existe ainda a possibilidade de participar numa atividade organizada por uma empresa, seguindo percursos guiados por profissionais especializados, que já exploraram o terreno. Deste modo são eles que marcam o ritmo e orientam o caminho, chamando a atenção para os pontos de interesse e detalhes que cada etapa esconde. As propostas são muito variadas e permitem usufruir em pleno do passeio sem nos preocuparmos com os aspetos práticos, bem como de distribuir melhor o esforço ao longo da caminhada. Assim, quando chegarmos ao fim da jornada, teremos mais vontade de apreciar a excelente gastronomia de cada região e o conforto de uma unidade de turismo rural. 


Dieta Mediterrânica

Não deixe de…
  • provar as sopas de legumes como o caldo verde, originário do norte de Portugal, ou o gaspacho, sopa fria que se come no verão no sul do país
  • comprovar que o melhor peixe do mundo é o português, comendo-o simplesmente grelhado numa esplanada à beira-mar
  • deliciar-se com as saborosas receitas alentejanas à base de pão, onde abundam ervas aromáticas, como o poejo, coentros e muitas outras
  • saborear um prato de cataplana, muito frequente no Algarve
  • provar a castanha assada, que se vende na rua, durante o inverno

A Dieta Mediterrânica, classificada Património Mundial pela Unesco, faz parte do bilhete de identidade da gastronomia portuguesa.

Na sua base encontramos produtos vegetais, nomeadamente produtos hortícolas, fruta, pão de qualidade e cereais pouco refinados, leguminosas secas e frescas (feijão, grão, favas, etc.), frutos secos e oleaginosas (nozes, amêndoas, castanhas, passas, etc.), mas também o azeite como principal fonte de gordura e o consumo de peixe em detrimento de carnes vermelhas.

Todos estes alimentos, que preferimos consumir na época - e adquirir no comércio local, senão mesmo nos mercados tradicionais, ao ritmo das colheitas ou da faina - fazem parte duma cozinha simples e frugal que os prepara de forma a preservar os seus nutrientes. E assim temos as sopas, os cozidos e guisados, os ensopados e as caldeiradas, que mantêm as propriedades antioxidantes dos ingredientes, contribuindo para uma maior longevidade aos seus consumidores.

A dieta mediterrânica distingue-se ainda pelo consumo moderado de lacticínios, uso de ervas aromáticas para temperar em detrimento do sal, consumo moderado de vinho e apenas à refeição, consumo de água como principal bebida ao longo do dia e, não menos importante, o convívio à volta da mesa. Com efeito, uma característica bem portuguesa é a partilha da mesa, um ritual que junta familiares e amigos e marca a nossa hospitalidade.


Sair à noite em Lisboa

Lisboa é uma das capitais europeias que goza de um dos maiores privilégios concedidos à vida urbana: as suas ruas podem ser desfrutadas à noite, com prazer e segurança.

E para quem gosta de agitação, as noites começam cedo e acabam tarde. Onde? De preferência nos bairros históricos e a usufruir da presença constante do rio Tejo. Os finais de tarde numa esplanada, num jardim ou miradouro, são sempre muito apreciados. O Bairro Alto e o Cais do Sodré são os bairros com mais tradição mas novos espaços vão abrindo junto ao rio, dando sempre novo fôlego à noite lisboeta.

Todas as noites são animadas e ao fim-de-semana há mais afluência mas os habitués que gostam de ambientes mais descontraídos começam a sair à noite à 5ª feira.

Bairro Alto
A noite começa no Bairro Alto. Pode ser numa das animadas esplanadas do Largo do Camões e do Chiado ou a ver o pôr-do-sol com vista sobre a cidade, no Miradouro de São Pedro de Alcântara, ou com o rio ao fundo, no de Santa Catarina. Depois é seguir por uma das ruas estreitas do bairro, onde também se encontram lojas trendy abertas até tarde, e escolher um restaurante para jantar. A escolha é variada e uma casa de fados pode ser uma boa opção. Mas não fica por aqui. Com uma frequência muito heterogénea, a grande diversidade de bares e a animação de rua do Bairro Alto são um bom início para quem gosta de viver a noite.
Subindo o Bairro Alto, a norte entramos no Príncipe Real. Esta zona residencial, também conhecida pelas lojas de antiguidades e de design, tem alguns bares já com muitos anos de presença na noite lisboeta e é um ponto de encontro muito apreciado pela comunidade gay.

Cais do Sodré
Para continuar a noite e dançar, o Cais do Sodré é uma das opções mais concorridas do momento. Esta zona de bares com nomes de capitais do norte da europa e de países longínquos que há décadas divertia os marinheiros que chegavam ao porto de Lisboa é agora uma das mais descontraídas da noite lisboeta, com espaços culturais, restaurantes, bares, clubes e discotecas. A música é muito variada, ouve-se reggae, música africana, new wave, indie e rock gótico, a programação dos clubes é apelativa e o ambiente é eclético. A animação segue pela noite fora até o sol já ir alto, para os que tiverem mais energia.


Gastronomia de Lisboa

A começar na sardinha assada acabando nos pastéis de Belém, Lisboa tem uma gastronomia tão convidativa como a cidade e a região.
 
A sardinha assada come-se em todo o país, mas em Lisboa tem especial tradição nas festas dos Santos Populares, em junho. Sobretudo no verão, é prato obrigatório num restaurante típico ou esplanada de praia, com pimentos assados, temperada com o excelente azeite português. 

Porém, os barcos que dão cor aos portos de pesca da região - Ericeira, Cascais, Sesimbra ou Setúbal - fornecem muitos outros peixes e mariscos de suculentas caldeiradas, sopas de peixe ou simples peixes grelhados. Como o salmonete de Setúbal e o choco frito. É que em Portugal temos o melhor peixe do mundo! 

Muitas tentações doces só por si justificam a viagem, todas elas nos arredores da capital: as nozes de Cascais no fim da bonita linha da Costa do Estoril; as queijadas e travesseiros de Sintra ou os fofos de Belas na verde Paisagem Cultural de Sintra, pontuada de palácios e classificada Património Mundial pela Unesco; e, logo passando o Tejo para sul, encontramos as tortas de Azeitão. A nossa doçaria não acaba, mas há algo que ninguém pode perder numa visita a Lisboa: na zona monumental de Belém, onde também ficam dois expoentes do Património Mundial, é obrigatório provar os gulosos pastéis de Belém, um ex-libris da doçaria conventual que faz parte da imagem de marca da gastronomia portuguesa.


Xisto na Naturtejo

Entre rochas cobertas de fósseis e serras habitadas por grifos e cegonhas-negras, as aldeias de xisto do Geopark Naturtejo são lugares hospitaleiros, onde apetece demorar.

Para além dos geossítios classificados e da variedade ecológica, o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional integra povoações onde o Homem sabiamente se fundiu com a natureza, adaptando-a gentilmente às suas necessidades. Martim Branco, situada entre penedias de xisto e quartzo é um exemplo dessa harmonia. Nesta aldeia com poucas casas, os fornos comunitários são verdadeiros espaços sociais que lançam no ar os aromas daquilo que vão cozendo no interior – seja cabrito, pão ou bolos, decerto que o cheiro vai abrir o seu apetite.

Prossiga para Sarzedas, terra de povoamento muito antigo que já foi vila e sede de concelho. Hoje em dia, esta aldeia pacata mantém um ar nobre, com casas de belo traçado que se distinguem pelas suas fachadas rebocadas, com apontamentos de cor.

Aqui, o mundo rural está vivo e presente. E se a grande riqueza da região é o azeite de qualidade, proveniente das oliveiras que crescem em socalcos entre muros de xisto, estas terras fornecem muitos outros produtos de grande importância na economia local. Na aldeia de Figueira há sempre uma horta junto a cada casa, um carro com feno acabado de apanhar, ou um bando de galinhas que passeia indiferente a tudo. Mas também encontra atividades para se exercitar. Para-quedismo na Escola do Aeródromo das Moitas, equitação na Sobreira Formosa, ou uns mergulhos na Praia Fluvial de Froia são as sugestões que lhe deixamos.

Situada a 10 km do marco geodésico que assinala o centro de Portugal, Água Formosa fica já fora dos limites do Geopark Naturtejo, mas nem parece. Faça a sua visita seguindo os sons da água que dá nome à aldeia e que corre puríssima nas fontes e na Ribeira da Galega. Mate a sua sede de descanso, enquanto descobre todo o encanto das aldeias do xisto.


Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização

close