www.visitportugal.com

Sugestões

Lagos – Itinerário Acessível

Lagos é uma cidade que convida a passeios tranquilos sempre com o mar no horizonte. Neles poderá descobrir o seu passado histórico que teve o auge no século XV, época dos Descobrimentos, ou simplesmente usufruir da paisagem ou da beleza das suas praias. 

E este é um prazer que está ao alcance de todos, já que a maioria das ruas tem uma inclinação reduzida, com passeios amplos e pavimento estável, e quanto às praias tem várias à sua escolha ostentando o galardão da acessibilidade. 

Acompanhe este itinerário com o mapa

Sugerimos que inicie o itinerário com uma visita ao Forte da Ponta da Bandeira (1), um espaço totalmente acessível erguido no séc. XVII para defender a cidade dos invasores que atacavam por mar. Se atravessar a Avenida dos Descobrimentos, mesmo em frente poderá visitar o Castelo dos Governadores (2) um monumento do séc. XIV que poderá conhecer na totalidade já que não existem entraves à circulação. 

Lagos_Arquivo TdP
Castelo dos Governadores - Lagos © Arquivo Turismo de Portugal

Nas proximidades, com entrada pela Praça Infante D. Henrique (4), um largo amplo e totalmente acessível, fica a Igreja de Santa Maria (3) em que um degrau na entrada impossibilita o acesso autónomo. Este templo data do século XV, mas foi restaurado e ampliado posteriormente, tendo ganho sobretudo em elementos decorativos de que são exemplo os retábulos do séc. XVIII.

Lagos-Praça Infante D. Henrique_Shutterstock_InácioPires
Praça Infante D. Henrique | Igreja de Santa Maria - Lagos © Shutterstock_InacioPires

Também no século XVIII foi construída a Igreja de Santo António (5), o local a visitar a seguir. Com entrada pela Rua General Alberto da Silveira, que é ligeiramente inclinada, o exterior sóbrio não deixa suspeitar da sua enorme riqueza decorativa em talha dourada. A entrada possui uma escadaria que dificulta o acesso, mas no interior só se encontram alguns obstáculos pontuais. Ao lado fica o Museu Municipal Dr. José Formosinho (6) que expõe uma coleção rica e variada em que se destaca a arqueologia. Este museu é totalmente acessível, sendo os degraus transponíveis através de rampas amovíveis.

Lagos_CMLagos
Lagos© Câmara Municipal de Lagos

A partir daqui sugerimos que passeie pelas ruas do centro da cidade de Lagos num percurso de vias planas, sem problemas de acessibilidade onde se encontram diversas lojas e restaurantes. Poderá por exemplo seguir pela Av. 25 de Abril e depois optar pela Rua Lima Leitão ou pela Afonso de Almeida até à Praça Gil Eanes (7) onde se encontra a polémica estátua de D. Sebastião da autoria de José Cutileiro. É também aqui que se encontra o Posto de Turismo, um espaço amplo e nivelado onde encontra uma equipa preparada para o auxiliar na sua visita a Lagos e que lhe poderá facultar áudio-guias. 

Avenida dos Descobrimentos - Lagos_ICVM
Avenida dos Descobrimentos © ICVM

Seguindo em direção ao mar vai voltar à Avenida dos Descobrimentos (8) onde se situa a ponte pedonal que faz a ligação com a Marina de Lagos (10). Neste espaço, onde estão ancoradas muitas embarcações, encontra-se a Caravela Boa Esperança (9), uma réplica das antigas caravelas portuguesas, cujas caraterísticas exteriores poderá admirar já que a entrada é inacessível e o espaço interior diminuto dificulta a circulação. Na Marina encontram-se diversas áreas de lazer, bem como o Museu de Cera dos Descobrimentos (11), um espaço acessível onde poderá ficar a saber mais sobre a grande epopeia marítima dos portugueses. 

FortalezaLagos_JC
Forte Ponta da Bandeira - Lagos © JC

Lagos conta também com diversas praias acessíveis, como por exemplo as Praias da Batata, da Luz, de Porto de Mós e a Meia Praia, estas três últimas com cadeira anfíbia para que todos possam usufruir em pleno dos banhos de sol e o mar.


Tavira - Itinerário Acessível

Distribuindo-se pelas duas margens do Rio Gilão num intrincado de ruas estreitas e casas brancas, Tavira é uma das cidades mais características do Algarve que apetece conhecer sem pressas.

A visita, no entanto, apresenta algumas dificuldades para quem tem problemas de locomoção, especialmente nas imediações do castelo em que as ruas são estreitas e inclinadas e o piso é ingreme e irregular.

Faça este percurso com o mapa

Sugerimos que inicie este itinerário na Praça da República (8) um espaço totalmente acessível, onde poderá saborear a doçaria regional nos cafés e esplanadas, ou assistir aos espetáculos e festividades que aqui têm lugar, especialmente durante o verão. Esta praça está situada junto ao Rio Gilão e dá acesso à Ponte (8) mais antiga de origem romana, que faz a ligação à outra margem sem quaisquer entraves à circulação. Este é também um bom local para apreciar as características da arquitetura tradicional da região com os telhados de quatro águas e as portas de reixa. 

Tavira_shutterstock_anyaivanova
Tavira © Shutterstock| Anyaivanova

Também junto à Praça da República fica o Jardim do Coreto (9), um dos locais mais animados da cidade que é um espaço plano e acessível, muito agradável para passeios à beira do rio. Aqui também poderá visitar o Mercado da Ribeira (10) um espaço amplo e sem barreiras, que após ter perdido as suas antigas funções, foi reconvertido, reunindo lojas, cafés, restaurantes e esplanadas. 

Tavira_shutterstock_SergioStakhnyk
Tavira © Shutterstock | Sergio Stakhnyk

A estrada paralela ao Rio Gilão segue em direção à Ria Formosa e apesar de não fazer parte do presente itinerário é uma sugestão que lhe deixamos para outro dia. Neste percurso poderá admirar a bonita paisagem formada pelas salinas brancas e apreciar a atividade da extração de sal ou os voos das aves aquáticas que procuram este local. No final, no sítio das Quatro Águas parte o barco que atravessa o Parque Natural da Ria Formosa em direção à língua de areia que a separa do mar e que tem 11 kms de extensão. É aqui que se encontram as praias da ilha de Tavira, como a Praia do Barril, onde pode desfrutar da tranquilidade da natureza e dos banhos de mar, que estão ao alcance de todos, já que está disponível uma cadeira anfíbia. 

Praia do Barril_Tavira_shutterstock_SergioStakhnyk
Praia do Barril_Tavira © Shutterstock | Sergio Stakhnyk

Prosseguindo o nosso itinerário, na Praça da República em frente à Câmara Municipal visite o Núcleo Museológico Islâmico (6) e aprecie testemunhos das origens árabes desta região como o vaso de Tavira, considerado uma peça única a nível mundial.  O percurso continua pelas ruas do centro histórico, de piso irregular e elevada inclinação, pelo que se sugere que faça este passeio com acompanhante que o apoie, ou em alternativa que utilize o comboio turístico que parte justamente da Praça da República.

Tavira_shutterstock_EvgeniFabisuk
Tavira © Shutterstock | Evgeni Fabisuk

Tavira é conhecida por possuir um grande número de igrejas – 37 no total. Uma das que mais se destaca é a Igreja da Misericórdia (5) pelas suas características renascentistas únicas na região do Algarve, que estão bem patentes no portal.  A entrada faz-se pela Rua da Galeria mas está dificultada por alguns degraus, e no interior amplo e sem barreiras são de salientar os elementos renascentistas que decoram as colunas, a talha dourada e o revestimento de azulejos do séc. XVIII. Na mesma rua, encontra-se o mais notável exemplo de arquitetura civil desta cidade – o Palácio da Galeria – onde está instalado o núcleo principal do Museu Municipal de Tavira (4). O edifício possui plataformas elevatórias na entrada e no acesso aos pisos superiores para que todos possam apreciar as exposições que aqui têm lugar,  normalmente com temáticas associadas ao concelho. No final desta rua situa-se a Ermida de Nossa Senhora da Piedade (7) que apesar de ser pequena possui um interior de espaços amplos sem barreiras. 

Tavira_ARPT Algarve
Tavira © ARPT Algarve

O próximo local a visitar é o Castelo de Tavira (3) a que se acede por ruas inclinadas e de pavimento irregular, num percurso difícil de concretizar sem ajuda.  O espaço interior é amplo, mas existem alguns obstáculos, nomeadamente o acesso ao miradouro por uma escada sem guarda. Nas imediações, a Igreja de Santa Maria do Castelo (2) é o principal templo de Tavira e foi construída no século XIII sobre as ruínas da antiga mesquita. A entrada faz-se por um portal ogival em estilo gótico, existindo, no entanto, alguns degraus que dificultam o acesso. No interior amplo encontra-se a pedra tumular dos sete cavaleiros da Ordem de Santiago que conquistaram a cidade aos muçulmanos. Data da mesma época a Igreja de Santiago (1), que se pensa ter sido erigida sobre a mesquita menor e cuja visita está dificultada por espaços estreitos e algumas barreiras pontuais. 

Tavira_Castelo_TDP
Castelo - Tavira © Arquivo Turismo de Portugal

O itinerário que lhe sugerimos termina aqui, mas a cidade de Tavira tem outros pontos de interesse para conhecer. Se quiser saber mais visite o Posto de Turismo que dispõe de uma equipa preparada para auxiliar o turista com mobilidade reduzida e que lhe poderá fornecer áudio-guias para acompanhar o seu percurso. 


Urban Sketchers – 6 dias de surf

O Surf foi o tema que inspirou mais uma viagem da Sketch Tour Portugal ao longo da costa, aproveitando a oportunidade da realização do Rip Curl Pro, uma das provas mais importantes no calendário internacional da modalidade. Muitas praias, ondas diferentes, vilas e aldeias piscatórias foram uma grande inspiração para o sketcher português João Catarino e para a americana Suhita Shirodkar.

Começaram em Carcavelos, um dos lugares mais emblemáticos na história do surf em Portugal, seguiram para a Ericeira, Peniche, onde se realizou o campeonato, e Nazaré, a norte de Lisboa. Continuaram pela costa alentejana, passando pela Comporta, Praia de São TorpesPorto CovoVila Nova de Milfontes. Para terminar, regressaram a Lisboa, onde ainda houve tempo para conhecer a cidade.

Aos desafios dos surfistas, juntou-se o desafio dos sketchers em conseguir desenhar o mar e captar a adrenalina que se vive no surf.

Forte de São Julião da Barra, Praia de Carcavelos
Suhita Shirodkar - Carcavelos

© Suhita Shirodkar

Ericeira
A norte de Lisboa, o percurso ao longo da costa é um dos passeios mais apreciados para quem visita Portugal, com paragem obrigatória na Ericeira, uma vila de pescadores que é também um dos principais spots de surf. Esta parte da costa, que inclui 8 km de praias e uma grande diversidade de ondas foi já considerada a 1ª reserva de surf da Europa e a 2ª do mundo.

João Catarino - Praia dos Coxos
Praia dos Coxos, Ericeira © João Catarino

Suhita Shirodkar - Ericeira
Praia do Sul, Ericeira © Suhita Shirodkar

Peniche
As ondas desta costa oeste são muito procuradas por surfistas e bodyboarders de todo o mundo, com especial destaque para a conhecida praia Supertubos, devido às suas grandes ondas de forma tubular. Juntamente com a Praia do Lagido, é palco do grande campeonato mundial de surf Rip Curl Pro Portugal, uma prova que integra o World Surf League Tour.

João Catarino - Praia do Baleal, Peniche
Praia do Baleal, Peniche © João Catarino

João Catarino - Praia Supertubos, Peniche
Praia Supertubos, Peniche © João Catarino

Suhita Shirodkar - Peniche
Barcos, Peniche © Suhita Shirodkar

Nazaré
O areal da praia da Nazaré, que é igualmente a frente de mar da cidade, é conhecido pela sua extensão e por ser um dos locais onde os tradicionais ofícios da pesca ainda persistem. Ganhou recentemente projeção internacional com o Canhão da Nazaré, um fenómeno geológico da costa que provoca ondas de grande dimensão. Foi onde Garrett McNamara bateu o record de ondas gigantes ao surfar uma onda de 30 metros, que todos os anos muitos surfistas tentam ultrapassar.

Suhita Shirodkar - Nazaré
Nazaré © Suhita Shirodkar

Suhita Shirodkar - Nazaré
Pescadores, Nazaré © Suhita Shirodkar

João Catarino - Nazaré
Nazaré © João Catarino

Ao longo da Costa Alentejana
O litoral do Alentejo surpreende por ser uma área de natureza preservada, com pequenos paraísos de sol e praia, gente amável e boa gastronomia, a que se junta uma grande variedade de praias com condições de excelência para fazer surf. É, por isso, uma opção muito apreciada para férias ativas.

João Catarino - Alcácer do Sal
Alcácer do Sal © João Catarino

Suhita Shirodkar - Alcácer do Sal
Alcácer do Sal © Suhita Shirodkar

João Catarino - Praia do Carvalhal
Praia do Carvalhal, Cataventos © João Catarino

Suhita Shirodkar - Praia de São Torpes
Praia de São Torpes, Sines © Suhita Shirodkar

Suhita Shirodkar - Vila Nova de Milfontes
Vila Nova de Milfontes © Suhita Shirodkar

Praia da Costa de Caparica
Suhita Shirodkar - Praia da Costa de Caparica
© Suhita Shirodkar

João Catarino - Costa da Caparica
© João Catarino

Lisboa
No final, ainda houve tempo para fazer uma visita de cidade.
Suhita Shirodkar - Lisboa
© Suhita Shirodkar 


Surf Sketch Tour - Suhita Shirodkar

Das memórias que tinha, de uma visita feita há 16 anos, e do facto de o pai ser de Goa, com fortes ligações à cultura portuguesa, sempre que Suhita Shirodkar pensava em Portugal tinha a imagem das casas claras e coloridas, das ruas de calçada, das tardes longas e do vinho do Porto. Ao juntar surf, então pensava em calor, praia e águas azuis e calmas, embora sempre tenha sentido curiosidade pelas praias de ondas gigantes, imaginando uma costa com vilas antigas, fortalezas à beira mar e uma vegetação marcada por plantas de agave.

A grande surpresa foi ter encontrado uma grande diversidade de surf spots e tantas praias bonitas que mesmo os desenhos rápidos não permitiam captar. Sentiu-se inspirada a trabalhar com o João, com quem aprendeu muita coisa sobre surf. As falésias de areia da Praia da Galé ou os surfistas na Nazaré são imagens que ficarão para sempre gravadas na memória.

Para além do surf, ficou encantada com a gastronomia, o trabalho dos pescadores, os pequenos barcos de pesca e os finais do dia a desenhar ao por do sol.

Não poderia terminar sem dizer que o mais marcante foi a sensação calorosa e de disponibilidade das pessoas. Onde quer que fosse, as pessoas tentavam comunicar comigo, apesar das barreiras linguísticas (eu não falo português) e faziam questão de me fazer sentir bem-vinda. Senti-me em casa.  (...) 
Agora vou ter de arranjar maneira de fazer uma viagem a Portugal, com mais tempo para explorar e desenhar mais coisas do país!

Forte de São Julião da Barra, Praia de Carcavelos
O primeiro desenho da Surf Sketch Portugal. O João cresceu nesta praia. Um ótimo sítio para começar a viagem…
Suhita Shirodkar - Carcavelos


Praia do Sul, Ericeira
Suhita Shirodkar - Ericeira

Polvo à lagareiro
Suhita Shirodkar - Polvo à lagareiro

 Pescadores e o mar, Praia dos Coxos, Ericeira
Suhita Shirodkar - Praia dos Coxos

Praia de Santa Cruz, Torres Vedras
Suhita Shirodkar - Praia de Santa Cruz

Praia Supertubos, Peniche
Suhita Shirodkar - Peniche

Barcos, Peniche
Suhita Shirodkar - Peniche

Nazaré
Suhita Shirodkar - Nazaré

Pescadores, Nazaré
Suhita Shirodkar - Nazaré

Barcos, Nazaré
Suhita Shirodkar - Nazaré

Alcácer do Sal
Suhita Shirodkar - Alcácer do Sal

Praia de São Torpes, Sines
Suhita Shirodkar - Praia de São Torpes


Vila Nova de Milfontes
Suhita Shirodkar - Vila Nova de Milfontes

Praia da Costa de Caparica
Suhita Shirodkar - Praia da Costa de Caparica

Praia da Costa da Caparica
Suhita Shirodkar - Praia da Costa de Caparica


LISBOA
Vendedores de Castanhas
Suhita Shirodkar - Lisboa

Elétrico
Suhita Shirodkar - Lisboa

 



Suhita Shirodkar vive em São José, na Califórnia, onde trabalha como designer gráfica e ilustradora. De origem goesa, vive atualmente nos Estados Unidos, embora se sinta em casa nos dois países. Adora que os desenhos sejam uma ferramenta para partilhar os sítios maravilhosos que visita, com pessoas em todo o mundo.

Como correspondente dos Urban Sketchers, já ensinou em Simpósios do grupo realizados no Brasil, em Singapura, em Manchester e em Chicago, assim como em muitos workshops locais.


Surf Sketch Tour - João Catarino

João Catarino vive na cidade em que cresceu, Carcavelos, muito próximo do mar e da praia onde o surf se tornou mais popular entre os portugueses. Tendo a ilustração como uma das suas atividades principais, a que se dedica profissionalmente, o surf e o desenho acabou por se tornar uma combinação inevitável.

Foi com satisfação que, como Urban Sketcher, se tornou o anfitrião e guia da californiana Suhita Shirodkar durante a etapa da Sketch Tour Portugal dedicada ao surf. O desejo de mostrar as melhores ondas da costa portuguesa foi uma experiência enriquecedora e uma oportunidade para revisitar lugares sob uma nova perspetiva, deixando-se contagiar pelo fascínio e pela observação atenta e sempre curiosa de Suhita.

Pela diversidade e pelos contrastes paisagísticos que se alternam entre características mediterrânicas e atlânticas, que vemos mudar em poucos quilómetros na passagem de uma serra ou na travessia de um estuário, Portugal, sendo um país relativamente pequeno, parece ter uma dimensão vasta, atendendo à variedade que se apresenta perfeita para este tipo de itinerários. (…) Por vezes é através da experiência e do olhar vivido por alguém que nos visita que reconhecemos melhor o privilégio que é sem dúvida, poder viver e viajar em Portugal.”

Praia dos Coxos, Ericeira
João Catarino - Praia dos Coxos

Praia de Santa Cruz, Torres Vedras
João Catarino - Praia de Santa Cruz, Torres Vedras

Praia Supertubos, Peniche
João Catarino - Praia Supertubos, Peniche

Praia do Baleal, Peniche
João Catarino - Praia do Baleal, Peniche

Nazaré
João Catarino - Nazaré

Alcácer do Sal
João Catarino - Alcácer do Sal

Praia do Carvalhal, Cataventos
João Catarino - Praia do Carvalhal

Praia da Galé
João Catarino - Praia da Galé

Praia de São Torpes, Sines
João Catarino - Praia de São Torpes

Porto Covo
João Catarino - Porto Covo

Vila Nova de Milfontes
João Catarino - Vila Nova de Milfontes

Praia da Costa da Caparica
João Catarino - Costa da Caparica



João Catarino é licenciado em design de comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL), onde é professor de ilustração nos cursos livres do Centro de Investigação e Estudos em Belas Artes. Também leciona ilustração e design de comunicação na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha do Instituto Politécnico de Leiria. Foi aluno de desenho no Centro de Arte e Comunicação Visual (AR.CO), onde se tornou professor de desenho desde 1995.

Tem dedicado a vida à ilustração, tendo publicações nos principais órgãos de comunicação social portuguesa, nomeadamente na imprensa e na televisão.

Tem sido formador em diversos simpósios internacionais dos Urban Sketchers e o seu trabalho em cadernos de viagem foi diversas vezes apresentado em escolas secundárias, universidades e outras instituições, podendo ser visto nalgumas publicações nacionais e internacionais no âmbito dessa temática.

Blog: www.desenhosdodia.blogspot.com


Guarda – Itinerário Acessível

Na Guarda, a cidade mais alta de Portugal, respira-se um ar saudável e leve, próprio da montanha onde está inserida - a Serra da Estrela, a maior área protegida portuguesa. 

É também da serra que provém o granito predominante nos edifícios do centro histórico e no pavimento das ruas, que pelo bom estado de conservação permitem uma circulação estável e confortável. No entanto, por se tratar de uma zona montanhosa, a inclinação natural do terreno poderá em alguns pontos criar dificuldades à locomoção.  

Faça este percurso com o mapa

Propomos que inicie a visita da cidade no importante núcleo que remonta à Idade Média, época em que a Guarda estava completamente cercada por muralhas, interrompidas em locais estratégicos por entradas que davam acesso às principais estradas da região. São exemplos disso a Porta da Erva (4), também conhecida por Porta da Estrela, e a Porta d’El Rei (1) um arco ogival em estilo gótico. Nesta zona, perto da Rua e Largo de São Vicente situa-se a antiga Judiaria (2), um núcleo de ruas estreitas com casas que mantêm a arquitetura original e onde poderá descobrir símbolos gravados na pedra. Outro local a visitar é a Igreja de São Vicente (3), um templo originário do séc. XIII, mas reconstruído no período barroco, a cujo interior amplo e espaçoso poderá aceder através de uma entrada nivelada na lateral direita.  

Guarda_RuaAmparo_Amatar-PedroSousa
Guarda – Rua do Amparo © Pedro Sousa|Amatar

A Praça Luís de Camões (5), também conhecida por praça velha é o principal espaço público da cidade. Entre os edifícios que a circundam destacam-se as casas nobres que pertenceram a famílias abastadas como o Solar dos Póvoas, os antigos Paços do Concelho com arcadas no piso inferior, e especialmente a imponente Catedral (6). Esta igreja-fortaleza em estilo gótico possui um interior totalmente acessível onde poderá admirar um magnífico retábulo em pedra de Ançã, uma obra marcante do renascimento tardio. 

Catedral - Guarda_Shutterstock-LianeM
Guarda – Catedral © Shutterstock - Liane M

Nas proximidades, junto a uma das antigas portas das muralhas, situa-se a Torre de Ferreiros (7), e um pouco mais abaixo a pequena Capela de São Pedro (8), cuja entrada por escadas dificulta o acesso a um espaço interior estreito. Esta zona possui um pavimento mais irregular e com maior trepidação que coloca dificuldades à circulação.

O percurso continua pelo Largo João de Almeida, onde se destaca o Pelourinho e a Igreja da Misericórdia (9) construída em estilo barroco já fora das muralhas medievais.  O seu interior espaçoso tem o acesso dificultado por alguns degraus na entrada, um obstáculo que também irá encontrar no Museu da Guarda (10). Instalado no antigo Paço Episcopal, este museu expõe interessantes coleções de arquitetura, numismática, pintura e escultura, oferecendo um acesso autónomo apenas no piso inferior, já que é necessário subir escadas para alcançar o andar superior. 

Guarda_Catedral_ARPT Centro de Portugal
Guarda – Catedral © ARPT Centro de Portugal

Para uns momentos de repouso sugerimos o Jardim Municipal José de Lemos (11), um espaço verde muito aprazível antes de culminar este passeio na Torre de Menagem (12), situada a 1056 metros de altitude, cujo acesso apresenta algumas dificuldades por se tratar de uma rua inclinada e pelos degraus junto à porta de entrada. Esta torre isolada fazia parte da alcáçova do antigo castelo e possui um centro de receção, num edifício totalmente acessível. Aqui irá encontrar um núcleo expositivo de materiais arqueológicos e um centro de informação sobre os principais pontos de interesse cultural do concelho, onde poderá ficar a saber ainda mais sobre os locais que visitou.


Portugal, o Melhor Destino do Mundo

Portugal tem 7 regiões, o que por si já indica que tem muito para visitar e conhecer, mas temos pelo menos 10 razões que justificam que seja uma boa escolha e que esteja na lista das viagens a fazer na vida.

Entre as principais atrações destacam-se a história e a cultura, a gastronomia e os vinhos, as praias, o surf, os festivais de música, o golfe, a variedade das paisagens e, sobretudo, o povo português, considerado afável, aberto e sincero.

O recente prémio dos World Travel Awards que considerou Portugal como o Melhor Destino do Mundo, veio confirmar a atual tendência, reconhecida igualmente por muitos guias, escritores de viagem, bloggers e órgãos de comunicação social de todo o mundo, especializados em viagens e turismo. E sabe porque é que Portugal tem estado nas bocas do mundo? Aqui damos uma pista.

1. As cidades, Lisboa e Porto
Se tem poucos dias, Lisboa e o Porto são duas cidades muito atrativas a poucas horas de voo das mais importantes cidades europeias. Ambas banhadas por um rio que lhes concede um ambiente caraterístico e diferente, são locais acolhedores com os seus bairros históricos e ruas com fachadas de azulejo, para conhecer de dia ou sair à noite, a par dos exemplos de arquitetura moderna e arte urbana, para além de terem uma agenda cultural bastante diversificada e criativa. Lisboa é uma cidade com uma luminosidade especial, que lhe vem do rio Tejo e da proximidade do mar. O Porto, cidade antiga, com um centro histórico classificado Património Mundial, é o ponto de chegada do Rio Douro, em cujas encostas se cultiva o famoso vinho do Porto.

2. Sol, Praia, Mar
A presença do Oceano Atlântico e o clima, de verões com muito sol e invernos suaves e amenos, faz de Portugal um destino reconhecido para fazer férias de sol e mar e passeios na praia ao longo de todo o ano. Na verdade, a costa portuguesa é quase uma praia única com mais de 850 Km e com uma diversidade de paisagens que permite escolher entre o mar mais agitado e fresco do norte e as águas quentes e calmas do sul. Existem grandes extensões de areia dourada, para quem aprecia um horizonte largo, e também pequenas enseadas com rochas e arribas cor de laranja. Entre a grande diversidade de praias, mais de 300 têm condições de excelência e são galardoadas como praias Bandeira Azul e cerca de 200 são Praias Acessíveis.

3. Passeios, a pé e de bicicleta
Os Parques e Reservas Naturais, os Geoparques e as Reservas da Biosfera reconhecidos pela UNESCO fazem de Portugal também um destino muito apreciado para a prática de atividades ao ar livre, sejam mais contemplativas, como a observação de aves, ou mais radicais como o canyoning. Nos últimos anos. os trilhos na natureza, a pé ou de bicicleta, têm sido uma boa opção para quem gosta de combinar o exercício físico e o contacto com a cultura local.

4. Caminhos da Fé
Mas os caminhos que se percorrem são também um encontro com a espiritualidade. O Caminho Português de Santiago e os Caminhos de Fátima são cada vez mais procurados por quem gosta de caminhar com um propósito de conhecimento, natureza e cultura. Portugal é também reconhecido como um importante centro do culto mariano. O Santuário de Fátima, que celebrou em maio de 2017 o Centenário das Aparições de Nossa Senhora, é o seu expoente máximo, atraindo milhares de visitantes do mundo inteiro todos os anos.

5. Surf
Esteja no continente ou nos arquipélagos da Madeira e Açores, é fácil perceber que Portugal dispõe de condições ideais para a prática do surf. Surfistas de todas as modalidades encontram na costa portuguesa o maior número de spots a menor tempo de distância entre eles, onde se disputam provas dos mais importantes campeonatos do mundo, como o Rip Curl Pro Portugal. Existem ondas tubulares perfeitas, em Peniche, ondas gigantes, na Nazaré, e as mais longas da Europa, na Figueira da Foz. A Ericeira, por sua vez, foi a 1ª Reserva de Surf da Europa e a 2ª a nível mundial. Como vê, pode vir várias vezes a Portugal e apanhar sempre uma onda diferente! Saiba mais em https://portuguesewaves.com


6. Festivais de Música
Os festivais de música podem ser um bom pretexto para vir a Portugal e fazer umas férias diferentes, aproveitando para conhecer os sítios de forma divertida num ambiente descontraído. À escolha, consoante a preferência musical, realizam-se festivais internacionais perto das cidades, em Lisboa ou no Porto, num ambiente rural, junto ao rio, ou a combinar com uns bons dias de praia.
Veja quais são os Festivais já agendados para 2018 e consulte os respetivos cartazes em www.portuguesemusicfestivals.com.


7. Golfe
Nos últimos anos, Portugal tem conquistado consecutivamente o prémio de Melhor Destino de Golfe da Europa e do Mundo, nos World Golf Awards. Algo que não admira se nos lembrarmos que é um país de clima privilegiado ao longo de todo o ano e que, particularmente no Algarve e na região de Lisboa, se encontram muitos campos várias vezes premiados, onde se encontram bons desafios e se pode assistir às grandes provas dos circuitos profissionais da modalidade.
Muitos campos de golfe são traçados por arquitetos de renome como Robert Trent Jones, Rocky Roquemore, Sir Henry Cotton, Arnold Palmer, entre outros. Porém, o que melhor os define é a sua incontestável qualidade e beleza paisagística, implantados com frequência em zonas preservadas e com o mar como pano de fundo.

8. Património Mundial
Nas 22 classificações existentes em Portugal está retratada a história e a cultura do país, do seu povo e dos povos que habitaram o território desde tempos imemoriais. Mosteiros e conventos de importância histórica e artística, monumentos dignos de relevo, centros históricos, paisagens culturais, que oferecem alguns dos mais deslumbrantes cenários naturais em Portugal, foram considerados pela UNESCO como fazendo parte do Património de toda a Humanidade.
Completa-se a lista com ícones que definem um modo de ser e de estar de um povo nos seus momentos de celebração, o Fado, o Cante Alentejano e a Dieta Mediterrânica. E ainda com artes e ofícios que integram o Património Cultural Imaterial, como o Fabrico de Chocalhos, a Manufatura da Olaria Preta de Bisalhães, a Arte da Falcoaria Real, e a manufatura dos Bonecos de Barro de Estremoz.
Estes contributos portugueses para a História mundial são de visita obrigatória e um bom pretexto para conhecer o país de norte a sul.


9. Gastronomia e Vinhos
A gastronomia portuguesa é muito apreciada e costuma deixar boas recordações. A localização e a proximidade atlântica justificam o lugar de destaque que é dado ao peixe e ao marisco, que sabem ainda melhor saboreados à beira-mar sob o agradável sol português, a que se junta uma enorme variedade de vinhos de mesa de qualidade. A Dieta Mediterrânica é uma das suas caraterísticas mais marcantes, evidenciando-se a utilização do azeite, dos legumes e das ervas aromáticas.
O vinho do Porto é desde há séculos um grande embaixador de Portugal, hoje em dia acompanhado por outros produtos genuinamente portugueses, como o pastel de nata e a doçaria conventual.
A mestria de talentosos chefs tem igualmente elevado a nossa culinária à altura das melhores gastronomias do mundo.


10. As Pessoas…
Um dos aspetos que os turistas evidenciam mais, quando nos visitam, é a hospitalidade e a amabilidade dos portugueses, sempre disponíveis para ajudar quando são interpelados na rua. Talvez seja o sol que nos dá a boa disposição, para receber bem seja quem for, de onde quer que venha…

Como vê, em 2018, não pode deixar de vir a Portugal. Can’t Skip Portugal!


Viseu - Itinerário Acessível

Cidade antiga, onde predominam as cores cinza do granito e o verde dos muitos jardins que a embelezam, Viseu já foi distinguida várias vezes pela qualidade de vida que proporciona aos seus habitantes. 

Acompanhe este itinerário com o mapa

O cuidado com as pessoas que nela vivem ou que a visitam está também patente ao nível da acessibilidade já que as ruas pedonais possuem pavimento estável, regular e em bom estado de conservação que garante uma circulação confortável para todos. É frequente a presença de corredores centrais com lajetas de granito como por exemplo na Rua Direita, ou de guias tácteis como se verifica na área envolvente à Praça da República. Na generalidade, os passeios são amplos com passadeiras rebaixadas permitindo a circulação autónoma das pessoas com mobilidade reduzida.

Viseu-Funicular_EmanueleSiracusa
Photo: Viseu - Funicular © Emanuele Siracusa

Para conhecer esta cidade sugerimos que comece o itinerário nos seus arrabaldes, junto a um dos monumentos mais antigos - a Cava de Viriato -  uma fortificação em terra com mais de dois mil anos que se pensa remontar à época da ocupação romana. Próximo fica o Largo da Feira de São Mateus, bem como a estação do Funicular, um meio de transporte acessível a pessoas com mobilidade reduzida que liga esta zona ao centro histórico. Como esta é a forma mais cómoda de vencer a inclinação do terreno sugerimos que a utilize e que inicie o seu passeio por Viseu no Adro da Sé (7) que fica perto da Estação.

Viseu_Adro da Sé - ARPT Centro de Portugal
Photo: Viseu - Adro da Sé © ARPT Centro de Portugal

A Sé Catedral (8), com uma fachada majestosa coroada por duas grandes torres que definem o perfil da cidade, faz parte de um conjunto monumental imponente em granito conhecido como o Paço dos Três Escalões. A entrada possui escadas que impossibilitam o acesso autónomo ao interior, onde se destacam as imponentes abóbadas com decoração em estilo manuelino e o retábulo barroco. Num edifício contíguo fica o Museu Grão Vasco (9) que possui um espaço interior amplo e sem barreiras e que entre outras obras notáveis exibe um conjunto notável de telas do séc. XV-XVI da autoria do pintor que lhe dá nome. Do outro lado do largo, a Igreja da Misericórdia, (6) com a sua fachada profusamente decorada em estilo rococó, introduz uma nota de alegria e faz o contraponto ao conjunto granítico. A entrada possui uma escadaria, mas existe uma plataforma elevatória que facilita o acesso.

Viseu_igrejaMisericordia_shutterstock-AlvaroGermanVilela
Photo: Viseu - Igreja da Misericórdia Sé © Shutterstock | Álvaro German Vilela

A partir daqui sugerimos um percurso totalmente acessível para conhecer o centro de Viseu. Comece na Praça D. Duarte (5), uma das principais da cidade, onde poderá admirar a estátua do rei que lhe dá nome ou apreciar o majestoso Passeio dos Cónegos que é o seu cenário de fundo. Prossiga pela Rua Direita (4) e pela Rua Formosa (3), as principais artérias, onde, para além das muitas lojas tradicionais encontra também diversos restaurantes e cafés onde poderá saborear as especialidades regionais em que se destaca a Vitela à Lafões ou os doces como as castanhas de ovos e os viriatos. 

Viseu_EmanueleSiracusa
Photo: Viseu © Emanuele Siracusa

A Praça da República, popularmente conhecida por Rossio, é o coração da cidade e está rodeado por alguns dos seus edifícios mais interessantes. A sombra das tílias e as esplanadas são aproveitadas tanto pelos habitantes como pelos turistas para uns momentos de descanso em que podem admirar o painel de azulejos que cobre as paredes e representa uma alegoria ao mundo rural. Desta praça parte a escadaria que dá acesso à Igreja da Ordem Terceira de São Francisco (2), um belo exemplar da arquitetura religiosa do séc. XVIII. Para conhecer o seu interior onde se destacam os azulejos alusivos à vida de São Francisco e os retábulos rococó, opte pela entrada lateral esquerda, onde encontra, no entanto, um degrau que poderá dificultar o acesso se não tiver ajuda para o transpor. 

Viseu
Photo: Viseu © Arquivo Turismo de Portugal

Já que Viseu é tão rica em jardins, sugerimos um deles para final deste itinerário - o Parque Aquilino Ribeiro (1). Considerado o pulmão verde da cidade este é um espaço aprazível com diversas espécies botânicas, um lago e zonas relvadas onde poderá usufruir do contacto com a natureza. Tentando aguçar a sua curiosidade para novas descobertas, mas agora literárias, lembramos que o parque deve o nome ao escritor Aquilino Ribeiro (séc. XX), oriundo deste distrito, que nas suas obras tão bem retratou a alma e o carácter destas gentes. 


Guimarães - Itinerário Acessível

Situada no Norte de Portugal, Guimarães possui um centro histórico medieval, bem preservado, classificado pela UNESCO como Património da Humanidade e que merece uma visita demorada.

Esta cidade, que teve um papel fundamental na formação do país, facto orgulhosamente lembrado nas suas muralhas pela inscrição “Aqui nasceu Portugal”, distribui-se por um terreno com inclinações que implicam diversas subidas e descidas, nem sempre fáceis para pessoas com dificuldades de locomoção. Nalgumas ruas os passeios são estreitos, o que também coloca obstáculos nas deslocações, mas o pavimento apresenta um bom estado de conservação, permitindo uma circulação estável e confortável. 

Acompanhe este itinerário com o mapa

Para descobrir os seus muitos encantos propomos um itinerário que tem como ponto de partida a Plataforma das Artes e Criatividade (1) um edifício resultante da reconversão do Mercado Municipal através de um projeto de arquitetura premiado. Albergando salas de espetáculos, espaços para exposições e o Centro Internacional das Artes José de Guimarães, este é um espaço totalmente acessível a todos, o que já não acontece no próximo local a visitar. Com efeito, o Museu Arqueológico Martins Sarmento (2), um dos mais antigos museus do género não permite um acesso autónomo devido às barreiras existentes.  

Guimaraes_Largo do Toural_shutterstock-saiko3p
Photo: Largo do Toural  © Shutterstock_saiko3p

Muito próximo fica o Largo do Toural (3), um espaço amplo e totalmente acessível onde vale a pena apreciar as fachadas dos edifícios circundantes, harmoniosas e bem preservadas. Num dos extremos desta, que é uma das principais praças da cidade, fica a Igreja de São Francisco (4) originalmente em estilo gótico e que na época barroca ganhou profusa decoração com azulejos e talha dourada. O acesso está facilitado por uma rampa, mas a circulação interior nem sempre é possível porque os espaços são estreitos.

Guimaraes_IgrejaConsolação-SantosPadssos_shutterstock-SergeyPeterman
Photo: Igreja da Consolação e dos Santos Passos © Shutterstock_Sergey Peterman

Prosseguindo pela Alameda de São Dâmaso, vai encontrar um amplo espaço verde enquadrado pela Igreja de Nossa Senhora da Consolação e dos Santos Passos (5) onde, em agosto, têm lugar as principais festas da cidade – as Gualterianas. O jardim é totalmente acessível, mas a igreja possui escadarias na entrada que impedem o acesso autónomo. A emoldurar este cenário, vê-se no horizonte a Montanha da Penha, uma área a que se pode aceder de automóvel e que possui diversos espaços de lazer, uma mata secular e um Santuário que atrai peregrinações concorridas.

Igreja NSOliveira_Guimaraes_Shutterstock_saiko3p
Photo: Igreja de Nossa Senhora da Oliveira © Shutterstock_saiko3p

O itinerário prossegue em direção ao núcleo central da cidade, passando pelo Museu de Alberto Sampaio (6) que possui uma importante coleção de estatuária em pedra, mas que não é acessível a pessoas em cadeira de rodas, pela presença de um degrau logo à entrada e pela dificuldade no acesso ao primeiro piso. O museu ocupa grande parte da Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, cuja Igreja (7), fundada no do séc. XIV, possui uma escadaria na entrada que impossibilita o acesso autónomo a pessoas em cadeiras de rodas.  

Guimaraes_Largo da Oliveira_shutterstock-PN_UN_cristovao
Photo: Largo do Toural  © Shutterstock_PN_UN_cristovao

Em frente à entrada da Igreja, o Padrão do Salado (8) comemora a vitória naquela Batalha que decorreu em 1340 e possui uma envolvente acessível no Largo da Oliveira (9) um espaço amplo, onde as esplanadas podem por vezes colocar obstáculos à circulação, tal como os passeios estreitos ou não rebaixados. São de destacar também o conjunto de edifícios que rodeiam este largo, que tal como os da Praça de São Tiago (10) e da Rua de Santa Maria (11) conservam a traça medieval. Já da época barroca são o Convento de Santa Clara (12) onde está instalada a Câmara Municipal e a Igreja de Nossa Senhora do Carmo (13) com acesso difícil para quem se desloca em cadeira de rodas. 

Paço dos Duques de Bragança_Guimarães_Shutterstock_PN_UN_StockPhotosArt
Photo: Paço dos Duques de Bragança  © Shutterstock_PN_UN_StockPhotosArt

Para final da visita deixamos os monumentos mais emblemáticos de Guimarães. O imponente Paço dos Duques de Bragança (15), belíssimo exemplar da arquitetura senhorial do século XV é um edifício gótico que apresenta características pouco comuns em Portugal pela influência normanda. Este é um espaço que poderá ser usufruído por todos - a entrada é nivelada, os espaços são amplos e existe um elevador para acesso ao piso superior. É também disponibilizado equipamento áudio de apoio à visita, um roteiro em Braille e peças para toque que propiciam uma experiência táctil.

Guimaraes_Estatua D.AfonsoHenriques_Shutterstock_PN_UN_StockPhotosArt
Photo: Paço dos Duques de Bragança  © Shutterstock_PN_UN_StockPhotosArt

Já a visita ao Castelo (17) é bastante mais complicada para pessoas com dificuldades de locomoção, uma vez que existem diversos degraus, tanto na entrada como nos acessos aos espaços interiores, e o pavimento é irregular. Nesta fortaleza que remonta ao século X nasceu D. Afonso Henriques, o primeiro Rei de Portugal, que segundo a lenda foi batizado na Igreja de São Miguel (16) um pequeno templo que não é acessível de forma autónoma. Este monarca é evocado numa estátua (14), outro símbolo incontornável da cidade de Guimarães e a imagem que encerra este passeio.  


Um plano pelo Centro de Portugal

Veja o melhor do Centro de Portugal e inspire-se para as próximas férias.

O desafio lançado aos portugueses e a 4 realizadores para mostrar o melhor do Centro de Portugal na iniciativa "Ponha Portugal no Mapa" resultou em 4 filmes inspiradores, dedicados a 4 temas: Aventura, Natureza, Criatividade e Herança. Os filmes foram realizados por Diogo Morgado, Edgar Pêra, Pedro Varela e Ruben Alves, com cerca de uma centena de pequenos vídeos gravados pelos portugueses.

Na próxima viagem, escolha o Centro de Portugal e descubra uma região com muito para oferecer. As tradições das Aldeias do Xisto, os trilhos a pé ou de bicicleta, os castelos que protegeram a fronteira durante tantos séculos nas Aldeias Históricas ou o vale glaciar da Serra da Estrela são apenas alguns dos pontos de interesse que poderá explorar.

Escolha o Centro de Portugal e Ponha Portugal no seu mapa!

O Centro de Portugal e a Aventura - Diogo Morgado
Há lugares que nos mudam por dentro. Inspirado no tema «Aventura», Diogo Morgado mostra a sua perspetiva do Centro de Portugal.


O Centro de Portugal e a Criatividade - Edgar Pêra
A tradição reinventa-se todos os dias. Inspirado no tema «Criatividade», Edgar Pêra traz-nos uma visão musical do Centro de Portugal.


O Centro de Portugal e a Herança - Pedro Varela
Do vazio fértil, nasce o movimento. Inspirado no tema «Herança», Pedro Varela assume uma composição que une a arte e a dança ao património do Centro de Portugal.

O Centro de Portugal e a Natureza - Ruben Alves
Nos sonhos de uma criança, projeta-se o futuro. Inspirado no tema «Natureza», Ruben Alves conta histórias de crianças e a forma como estas coexistem no Centro de Portugal.


Páginas

Pesquisa avançada
Planeamento Veja os favoritos que selecionou e crie o seu Plano de Viagem ou a sua Brochura.
Esqueceu a sua password?
Faça login através de redes sociais
*Aguarde por favor. *As instruções de recuperação de password serão enviadas para o seu e-mail. *E-mail não enviado. Tente novamente.
Faça login através de redes sociais

Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores.
Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte os Termos de Utilização e Tratamento de Dados Pessoais

close